A Europa ainda pode contar com o poder nuclear dos Estados Unidos?

im-945678

Com os compromissos dos EUA em dúvida como nunca antes, líderes de Paris a Varsóvia enfrentam a perspectiva de dissuadir Putin por conta própria

Quando o presidente John F. Kennedy encontrou seu homólogo francês durante a crise de Berlim de 1961, se viu obrigado a oferecer garantias. Com Moscou exigindo que a OTAN retirasse suas forças da cidade dividida, o presidente Charles de Gaulle lançou dúvidas sobre a determinação dos Estados Unidos em proteger a Europa.

Se o líder soviético Nikita Khrushchev despachasse seus exércitos pelo continente, de Gaulle questionou se os EUA realmente estariam dispostos a sacrificar Nova York em um confronto nuclear para defender Paris.

“Se o próprio General, que trabalhou com os Estados Unidos por tanto tempo, pôde questionar a firmeza americana, o Sr. Khrushchev também pode questioná-la”, respondeu Kennedy, de acordo com notas da reunião.

No final, os EUA e seus aliados rejeitaram o ultimato, Moscou piscou primeiro, e Berlim Ocidental permaneceu livre.

Esse dilema existencial da dissuasão estendida um poder nuclear arriscaria a aniquilação de sua própria terra natal para defender um aliado distante? tem sido o centro da geopolítica desde que Washington estendeu seu guarda-chuva nuclear à Europa quando a aliança da OTAN surgiu em 1949. Não importa o quanto os soviéticos duvidassem publicamente da vontade dos EUA, eles nunca a testaram.

Agora, à medida que a Ucrânia é envolvida na guerra mais sangrenta da Europa em quase oito décadas e o presidente russo Vladimir Putin emite regularmente ameaças nucleares veladas, a pergunta uma vez feita por de Gaulle queima novamente nas mentes dos aliados e adversários dos Estados Unidos.

O Presidente francês Charles de Gaulle recebe o Presidente John F. Kennedy em Paris, junho de 1961. Durante a Guerra Fria, de Gaulle questionou a disposição dos EUA de arriscar uma guerra nuclear para defender a Europa. [Foto: Agence France-Presse/Getty Images]
Um presidente americano, especialmente um Donald Trump reeleito, estaria disposto a arriscar uma guerra nuclear por Helsinque, Tallinn ou Varsóvia? E, se não, as duas potências nucleares próprias da Europa França e, em menor medida, o Reino Unido poderiam fornecer dissuasão suficiente por conta própria para desencorajar Putin de testar a determinação do Ocidente e avançar sobre membros da OTAN e da União Europeia que um dia estiveram sob influência de Moscou?

Embora a França não tenha oferecido formalmente estender seu guarda-chuva nuclear, atualmente dedicado à proteção dos “interesses vitais” do país, o presidente Emmanuel Macron afirmou que esses interesses têm “uma dimensão europeia”, e no mês passado ele descreveu a guerra na Ucrânia como “existencial” para a Europa e a França.

Em uma reunião em fevereiro com parceiros alemães e poloneses, o ministro das Relações Exteriores francês, Stéphane Séjourné, pediu que os aliados europeus desenvolvessem uma “apólice de seguro de vida suplementar”, dada a ascensão do isolacionismo na política americana. Em países na periferia da Rússia, muitos agora veem o elemento dissuasório nuclear francês e britânico como potencialmente vital.

“Há maneiras de reduzir a perda dos EUA para que um ataque não aconteça”, apontou Tomas Jermalavičius, chefe de estudos do Centro Internacional de Defesa e Segurança em Tallinn, Estônia. “Para Putin, o que realmente importa é que o outro lado que se opõe a ele tenha armas nucleares e seja credível em seu uso em circunstâncias extremas. Enquanto ainda houver essa chance de 1% do elemento nuclear, a dissuasão ainda pode se manter.”

O aprendizado de De Gaulle com a crise em Berlim foi intensificar o programa de armas nucleares francesas. Como está configurado atualmente, o “force de frappe” do país inclui cerca de 290 ogivas nucleares, divididas entre uma força estratégica de quatro submarinos, sendo um deles em patrulha contínua de dissuasão no mar, e aeronaves de combate Rafale capazes de lançar mísseis com cargas menores.

O programa permanece totalmente independente da OTAN. A França é o único membro da aliança que não pertence ao seu Grupo de Planejamento Nuclear, e o presidente Macron detém plena autoridade sobre o uso potencial.

Por outro lado, a força nuclear menor e menos versátil do Reino Unido está totalmente integrada ao comando da OTAN. Sem um componente aéreo, ela depende de mísseis Trident fornecidos pelos Estados Unidos para seus quatro submarinos e possui um total de menos de 260 ogivas de guerra.

O primeiro-ministro britânico mantém autoridade exclusiva sobre o uso nuclear, e a doutrina do país afirma que isso poderia ocorrer “apenas em circunstâncias extremas de autodefesa, incluindo a defesa de nossos aliados da OTAN”.

Forças nucleares na Europa. Em verde: poderes nucleares europeus; riscado; membros da OTAN; em amarelo: guardando armas nucleares americanas; em cinza: guardando armas nucleares russas; e em vermelho: território ocupado pela Rússia. [Fonte: Arms Control Association/Institute for the Study of War]
Embora pequenas em comparação com as milhares de armas nucleares nos arsenais russo e americano, os armamentos nucleares franceses e britânicos poderiam fornecer uma dissuasão confiável em uma crise devido à natureza assimétrica da guerra nuclear, acreditam autoridades dessas nações.

Afinal, a perspectiva de apenas uma ogiva de guerra ultrapassar as defesas aéreas e devastar Moscou é provavelmente suficiente para impor restrições à liderança da Rússia.

“Ter uma dissuasão nuclear europeia mais forte não significa necessariamente uma maior”, declarou Bruno Tertrais, diretor adjunto da Fundação para Pesquisa Estratégica em Paris, que assessorou o governo francês sobre política nuclear. “Basicamente, é uma questão de credibilidade política, em vez de credibilidade técnica.”

Peter Watkins, membro associado do think-tank Chatham House em Londres, que supervisionou a dissuasão nuclear como diretor-geral do ministério da defesa britânico, apontou que a OTAN não precisou aumentar suas forças nucleares ao receber recentemente novos membros, Finlândia e Suécia.

“A dissuasão não é linear”, destacou ele. “Claramente, há uma melhor dissuasão se houver uma força maior, e se os Estados Unidos não estivessem contribuindo de alguma forma, o guarda-chuva nuclear da OTAN não seria tão forte quanto é agora. Mas as capacidades do Reino Unido e da França são, ainda assim, significativas.”

As discussões preliminares na Europa sobre como pensar no componente nuclear para dissuadir a Rússia são limitadas por uma prioridade avassaladora: nenhum governo aliado quer fazer qualquer coisa que possa minar o atual arranjo de “compartilhamento nuclear” liderado pelos EUA, que tem funcionado tão bem para manter a paz dentro das fronteiras da OTAN.

Os EUA, além de seu arsenal nuclear estratégico, implantaram armas nucleares na Alemanha, Holanda, Bélgica, Itália e Turquia. Pilotos dessas nações voam aeronaves de dupla capacidade que poderiam lançar armas nucleares se os EUA, que mantêm controle sobre os dispositivos, autorizassem um ataque.

Quando Macron, em fevereiro de 2020, convidou os aliados europeus a participar de exercícios da força nuclear francesa e discutir como as capacidades de dissuasão francesas poderiam reforçar a segurança europeia, sua oferta inicialmente caiu em ouvidos moucos.

A Alemanha rapidamente rejeitou a ideia, e a eleição do Presidente Biden meses depois fez com que muitos líderes europeus concluíssem que as ameaças enfrentadas pela OTAN durante o governo Trump eram apenas uma tempestade passageira.

Pessoal militar francês e caças implantados na Romênia em uma missão para proteger o território da OTAN, outubro de 2023. [Foto: Daniel Mihailescu/Agence France-Presse/Getty Images]
Um míssil balístico desarmado é lançado a partir de um submarino britânico, 21 de fevereiro. A força nuclear do Reino Unido inclui quatro submarinos equipados com mísseis Trident fabricados nos Estados Unidos. [Foto: Ministério da Defesa/Associated Press]
Essa não é mais a suposição operacional. A liderança republicana na Câmara dos Representantes já conseguiu paralisar a política externa da administração Biden e aumentar dramaticamente a sensação de vulnerabilidade da Europa bloqueando a ajuda militar americana para a Ucrânia. O corte resultante no fornecimento de munições permitiu avanços russos e fortaleceu Putin.

Enquanto isso, Trump continua a criticar a OTAN em discursos de campanha e já disse publicamente que encorajaria a Rússia a atacar aliados americanos que não pagam o suficiente pela proteção.

À medida que os medos crescem, as conversas entre os governos europeus sobre a dissuasão nuclear da Rússia começam a ganhar destaque.

Em retrospecto, os líderes europeus foram tolos em ignorar a proposta de Macron em 2020 para um diálogo estratégico sobre opções nucleares, disse Nathalie Tocci, diretora do Instituto de Assuntos Internacionais em Roma e ex-assessora dos chefes de assuntos externos da UE. “O fator Trump está fornecendo o impulso político para reviver essa conversa”, apontou ela.

Embora permaneçam fora do grupo de planejamento nuclear da OTAN, nos últimos meses os representantes franceses começaram a fornecer a seus aliados apresentações muito mais detalhadas sobre o status e as capacidades da dissuasão nuclear francesa e sobre as políticas que a regem, de acordo com pessoas familiarizadas com essas apresentações.

A França não tem intenção de compartilhar a autoridade sobre o possível uso nuclear, e não pede aos aliados que ajudem a financiar seu programa nuclear, afirmam autoridades. No entanto, em uma possível reformulação da segurança europeia, os investimentos franceses na dissuasão nuclear poderiam ser correspondidos por um aumento nos gastos alemães e de outros europeus em armas convencionais.

Nos últimos meses, a França também iniciou conversas bilaterais com países interessados em aprender como aprofundar a cooperação sobre o assunto, como Polônia e Suécia. Conversas entre especialistas nucleares franceses e alemães também ocorreram, mas Berlim permanece cautelosa, apesar dos crescentes apelos dentro do estabelecimento político e de segurança alemão para explorar alternativas nucleares.

A perigosa nova realidade da Europa exige um novo pensamento sobre o quadro em que a França e o Reino Unido poderiam contribuir para a dissuasão nuclear contra a Rússia, disse Wolfgang Ischinger, ex-embaixador alemão em Washington e ex-presidente da Conferência de Segurança de Munique.

“Agora temos um cenário estratégico totalmente diferente, temos urgência em garantir que a dissuasão funcione e, portanto, eu diria, vamos reexaminar todos os elementos”, frisou ele. “Não queremos que os russos saibam todos os nossos pensamentos, mas vamos ter uma discussão confidencial e certamente não na ausência dos americanos.”

Há muitos céticos, é claro.

“A dissuasão nuclear europeia é tão altamente hipotética que nem deveríamos perder tempo falando sobre isso. Primeiro, não há capacidades, e segundo, não há vontade política”, afirmou Sławomir Dębski, diretor do Instituto de Assuntos Internacionais da Polônia em Varsóvia.

Norbert Röttgen, um parlamentar sênior alemão, disse que, independentemente de possíveis mudanças em Washington, o curso de ação mais racional para a Alemanha e outros aliados europeus é se concentrar na construção de capacidades militares e indústrias convencionais, num esforço para enfraquecer a Rússia nos campos de batalha da Ucrânia.

“No que diz respeito à dissuasão nuclear, uma mudança rápida é simplesmente impossível. Se a perdermos como consequência de uma decisão americana, levaria anos, pelo menos uma década, para tentar compensar o sistema americano”, apontou ele. “Temos que nos concentrar onde podemos fazer a diferença agora, e onde podemos compensar as consequências da política externa no caso da reeleição de Trump.”

Presidente Donald Trump em uma cúpula da OTAN em Londres, dezembro de 2019. A possibilidade de reeleição de Trump tem levantado dúvidas na Europa sobre o compromisso da América com a aliança. [Foto: Peter Nicholls/Press Pool]
O que Trump possa dizer durante a campanha sobre se recusar a proteger os aliados da OTAN, na verdade, retirar o guarda-chuva nuclear estendido para a Europa seria um curso de ação improvável, acreditam muitos estrategistas, porque minaria o poder da América em todo o mundo.

“A dimensão nuclear é a última, e não a primeira, a sofrer em um relacionamento potencialmente deteriorado”, declarou Liviu Horovitz, especialista em assuntos nucleares do Instituto Alemão de Assuntos Internacionais e de Segurança. “É possível, mas é muito improvável.”

Kurt Volker, ex-embaixador dos EUA na OTAN que serviu na administração Trump como enviado especial para a Ucrânia, concordou. “Não acho realista falar sobre os EUA retirando suas forças, saindo da OTAN, não estendendo o guarda-chuva nuclear”, destacou. “Nem mesmo Trump faria isso.”

Ainda assim, o clima entre os líderes europeus claramente mudou à medida que a eleição se aproxima. Alguns políticos na Alemanha até levantaram a possibilidade de se tornar um estado de armas nucleares, algo extremamente complicado tanto por razões políticas quanto tecnológicas e significaria o colapso do sistema de não proliferação existente.

O Ministro das Relações Exteriores da Polônia, Radosław Sikorski, também aludiu ao assunto em uma visita recente a Washington.

“Se a América não puder se unir à Europa e permitir que a Ucrânia detenha Putin, temo que nossa família de nações democráticas comece a se desfazer”, pontuou. “Os aliados buscarão outras maneiras de garantir sua segurança. Eles começarão a se precaver. Alguns deles buscarão a arma derradeira, iniciando uma nova corrida nuclear.”

Por enquanto, os arsenais nucleares existentes da França e do Reino Unido poderiam oferecer parte dessa precaução, caso a OTAN seja esvaziada.

França e Reino Unido já cooperam estreitamente entre si em questões nucleares e, em 1995, emitiram uma declaração conjunta de que “os interesses vitais de um não poderiam ser ameaçados sem que os interesses vitais do outro também estivessem igualmente em risco.”

Desde então, os dois países construíram uma instalação compartilhada na França, chamada EPURE, para testar a confiabilidade e a segurança de suas ogivas nucleares.

De acordo com a doutrina atual da OTAN, os arsenais nucleares franceses e britânicos já proporcionam uma dissuasão adicional pela simples existência de centros de tomada de decisão separados que complicam os cálculos russos.

Claro, a mesma pergunta que preocupava de Gaulle quando se tratava das garantias nucleares americanas em 1961 também se aplica aos dissuasivos francês e britânico: eles arriscariam Paris ou Londres para deter um avanço terrestre russo?

“É uma pergunta perfeitamente válida”, argumentou o Marechal do Ar aposentado Edward Stringer, ex-chefe de operações do ministério da defesa britânico. “E você nunca terá uma resposta para isso, porque a dissuasão depende da ambiguidade estratégica.”

De qualquer forma, uma Europa que esteve disposta a confiar sua segurança a um presidente americano não deve hesitar em depositar sua confiança na França, argumentou Ischinger, da Alemanha.

“A França está muito mais próxima. Se houvesse alguma vez uma ameaça nuclear na Europa, há uma probabilidade muito maior de que a França entenderia que a segurança da França estaria em risco assim que a segurança da Polônia, dos países bálticos ou da Alemanha estivesse em risco o que não é verdade da mesma maneira para os Estados Unidos”, frisou. “Não há motivo para ninguém em Pittsburgh acreditar que está em risco se os russos tomarem a Estônia.”

O Presidente Francês Emmanuel Macron, visto aqui na Ecole Militaire de Paris em fevereiro de 2020, convidou os aliados europeus a participar de exercícios da força nuclear francesa. [Foto: Hamilton/Press Pool]
(Com The Wall Street Journal; título original: Can Europe Still Count on America’s Nuclear Umbrella?; tradução feita com auxílio de IA)

Compartilhe em suas redes!

WhatsApp
Facebook
LinkedIn
PUBLICIDADE

Matérias Relacionadas

PUBLICIDADE

Assine o TradeNews Express!

PUBLICIDADE

A Newsletter mais completa do mercado está de cara nova!

Preencha o formulário e cadastre-se para receber todos os dias.

Saiba os meses que as empresas devem pagar proventos em 2024 e monte sua carteira vencedora

Are you sure want to unlock this post?
Unlock left : 0
Are you sure want to cancel subscription?