A luta global contra a inflação pode estar chegando ao fim

im-887694

A queda da inflação nos países industrializados abre a porta para os bancos centrais começarem a reduzir as taxas de juros no próximo ano

A inflação está caindo mais rápido do que o esperado nas economias avançadas, marcando um ponto de virada na batalha de dois anos dos bancos centrais contra o aumento dos preços. 

Quedas no crescimento do índice de preços ao consumidor, para abaixo de 5% no Reino Unido no mês passado e cerca de 3% nos Estados Unidos e na Zona do Euro, estão alimentando as expectativas de que os bancos centrais possam aliviar as restrições e começar a reduzir as taxas de juros no próximo ano. 

Isso proporcionaria um alívio bem-vindo para uma economia global que está enfrentando dificuldades fora dos Estados Unidos, aumentando as perspectivas de um pouso suave após uma série histórica de aumentos nas taxas de juros, sem grandes aumentos no desemprego. A Europa, em particular, está à beira de uma recessão. 

Os rendimentos dos títulos do governo na Europa e nos Estados Unidos caíram à medida que os investidores começaram a precificar cortes nas taxas de juros antecipados. Durante meses deste ano, os economistas se perguntaram por que o crescimento e a inflação não desaceleraram mais em resposta aos aumentos nas taxas de juros. 

Agora, há evidências crescentes de que os custos mais altos de empréstimos estão afetando e com atraso. 

“Definitivamente, é um ponto de virada para a inflação”, disse Stefan Gerlach, ex-vice-governador do banco central da Irlanda. “Os investidores podem se surpreender com a rapidez com que os bancos centrais cortarão as taxas de juros no próximo ano, talvez em um ponto e meio percentual.”

Diminuição da inflação. A taxa de inflação do Reino Unido está caindo em linha com a Europa e os EUA. [Fonte: Departamento de trabalho dos EUA/Eurostat/The Wall Street Journal]
As grandes quedas na inflação em todos os continentes mostram como fatores comuns impulsionaram os preços, especialmente a pandemia de Covid-19 e a guerra da Rússia na Ucrânia. 

Isso prejudicou as cadeias de abastecimento globais, reduziu o número de pessoas na força de trabalho e aumentou os preços da energia, especialmente na Europa. À medida que essas forças diminuem, as pressões inflacionárias naturalmente diminuem.

A inflação também recebeu um impulso de fatores relacionados à demanda, como trilhões de dólares de gastos com estímulos governamentais nos Estados Unidos, bem como a demanda reprimida e as economias acumuladas pelos consumidores durante a pandemia. 

É por isso que os economistas afirmam que a inflação subjacente continua forte quase quatro anos após o início da pandemia e por que os aumentos nas taxas de juros eram necessários para reduzi-la.

A queda na inflação “demonstra o efeito do aumento das taxas em 0,4 ou 0,5 pontos percentuais”, disse Gerlach. 

“A equipe ‘Transitória’ estava errada”, acrescentou, referindo-se a um debate entre economistas se a alta inflação diminuiria por si só, posição à qual ele pertencia. “Nossa ideia era que a inflação voltaria a cair sem um aumento nas taxas de juros.”

Mesmo em países onde a inflação se mostrou mais teimosa, como o Reino Unido, começam a ser observados progressos. 

Os preços ao consumidor subiram 4,6% em outubro em comparação com o mesmo mês do ano anterior, uma queda em relação à taxa de inflação de 6,7% registrada em setembro e o menor aumento desde outubro de 2021, informou a agência de estatísticas na última quarta-feira (15). Os economistas esperavam uma queda para 4,8%.

“O Reino Unido não parece mais ser um grande ponto fora da curva quando se trata de inflação”, disse Bruna Skarica, economista do Morgan Stanley.

A notícia da queda no Reino Unido veio após o relatório de terça-feira (14) sobre uma queda maior do que o esperado na inflação dos EUA para 3,2% em outubro. 

A Zona do Euro também registrou uma queda na inflação para 2,9% em outubro, em comparação com 4,3% em setembro. Os preços ao consumidor foram mais baixos do que no ano anterior na Bélgica e nos Países Baixos.

O arrefecimento dos preços ao consumidor convenceu alguns formuladores de políticas europeus de que a batalha para conter a inflação foi vencida e em um período mais curto do que na década de 1970, quando ocorreu um aumento comparável nos preços.

“Estamos no processo de sair da crise inflacionária”, disse Bruno Le Maire, da França, antes de se reunir com seus colegas ministros das Finanças da União Europeia na semana passada. “Em menos de dois anos, a Europa terá conseguido controlar a inflação, que pesa sobre nossos cidadãos e os lares, especialmente os mais pobres.”

Os investidores também estão mais otimistas. Eles estão precificando cortes nas taxas de juros pelo Federal Reserve e pelo Banco Central Europeu a partir da próxima primavera, e pelo Banco da Inglaterra no próximo verão, de acordo com dados da Refinitiv. 

Os mercados haviam precificado uma probabilidade de 30% de outro aumento nas taxas pelo Fed, de seu nível atual de 5,25% para 5,5%, até a publicação dos dados de inflação dos EUA na terça-feira. 

Essa probabilidade agora caiu para 5%, segundo analistas do Deutsche Bank. A perspectiva de um corte nas taxas de juros do Fed até maio disparou de 23% na segunda-feira (13) para 86% no fechamento de terça. Os banqueiros centrais estão mais cautelosos depois de terem sido surpreendidos no ano passado pela persistência da inflação. 

O Banco da Inglaterra disse no mês passado que é muito cedo para pensar em cortes nas taxas de juros, tendo previsto que a inflação atingiria sua meta de 2% no final de 2025. 

Os banqueiros centrais também apontam para o aumento ainda rápido dos salários e o risco de preços mais altos da energia se o conflito entre Israel e Hamas se espalhar para outras partes do Oriente Médio.

Os economistas do Morgan Stanley esperam ver o Banco da Inglaterra começar a cortar as taxas a partir de maio do próximo ano, seguido pelo Federal Reserve e pelo Banco Central Europeu em junho. Independentemente do momento exato, há um consenso crescente de que a inflação está diminuindo e que as taxas de juros mais baixas seguirão.

“Esperamos declínios generalizados na inflação e nas taxas de juros em 2024 nas economias avançadas”, escreveu Michael Saunders, ex-membro do comitê de política monetária do BOE, em uma nota para os clientes da Oxford Economics.

Se assim for, isso levantaria a questão sobre os bancos centrais exageraram nos aumentos das taxas, especialmente na Europa. 

Os economistas dizem que esses aumentos estão refletindo na economia, pesando sobre o crédito e os gastos. A criação de empregos está desacelerando e o desemprego está aumentando nos dois lados do Atlântico, limitando o crescimento dos salários. 

As famílias estão se tornando mais relutantes em gastar, à medida que as taxas de juros mais altas tornam mais vantajoso poupar, dizem os economistas. Isso pesa sobre as perspectivas de crescimento nos próximos meses.

A loja de departamentos Printemps em Paris está pronta para as festas, mas resta saber quanto os consumidores estão dispostos a gastar no final do ano. [Foto: Vincent Isore/Zuma Press/The Wall Street Journal].
As vendas no varejo dos EUA caíram 0,1% em outubro em relação ao mês anterior, informou o Departamento de Comércio na quarta. Essa é a primeira queda desde março e ocorre após um aumento de 0,9% em setembro. Já na Zona do Euro, a produção industrial caiu 1,1% em setembro em relação ao mês anterior.

A queda na inflação será uma notícia bem-vinda para os líderes políticos, mesmo que ainda não tenha impulsionado sua popularidade.

Embora fatores globais tenham contribuído para o pior momento do aumento da inflação e para a maior parte da recente queda, as condições econômicas domésticas são provavelmente as mais importantes à medida que os bancos centrais entram na fase final – a chamada “última milha” – de reduzir a inflação para suas metas em torno de 2%.

Nos EUA, a inflação está diminuindo, à medida que o mercado de trabalho e os gastos do consumidor desaceleram, mas permanecem sólidos. Isso fortaleceu as previsões de que as pressões sobre os preços continuarão a diminuir sem uma recessão.

Na Europa, o cenário econômico é mais desafiador. O continente enfrenta ventos contrários ao crescimento, desde a desaceleração do comércio global e o crescimento lento na China, um mercado de exportação crucial, até os esforços dos governos para reduzir os gastos. 

O tribunal constitucional da Alemanha decidiu contra uma iniciativa do governo do chanceler Olaf Scholz de realocar €60 bilhões em fundos não utilizados da pandemia para financiar iniciativas de energia verde, criando um grande déficit no orçamento estadual.

As famílias europeias também têm sido mais relutantes do que seus homólogos americanos em gastar as economias da era da pandemia. Tudo isso pode levar a uma recessão mais profunda e a uma queda mais acentuada na inflação na Europa, levando a cortes de juros mais cedo pelo Banco Central Europeu (BCE).

Apesar da probabilidade de taxas de juros mais baixas no futuro, muitos economistas e investidores consideram improvável um retorno ao período de taxas de juros ultrabaixas que precedeu a pandemia, refletindo as crescentes tensões geopolíticas e as pressões demográficas.

As forças de trabalho provavelmente irão diminuir nas principais economias, incluindo a China, nos próximos anos, à medida que milhões de idosos se aposentam, impulsionando o aumento dos salários. E os atritos entre a China e o Ocidente provavelmente aumentarão os custos de produção à medida que as empresas transferem fábricas para outros países.

(Com The Wall Street Journal; Título original: The Global Fight Against Inflation Has Turned a Corner)

Compartilhe em suas redes!

WhatsApp
Facebook
LinkedIn
PUBLICIDADE

Matérias Relacionadas

PUBLICIDADE

Assine o TradeNews Express!

PUBLICIDADE

A Newsletter mais completa do mercado está de cara nova!

Preencha o formulário e cadastre-se para receber todos os dias.

Saiba os meses que as empresas devem pagar proventos em 2024 e monte sua carteira vencedora

Are you sure want to unlock this post?
Unlock left : 0
Are you sure want to cancel subscription?