A punição da China para pessoas endividadas: sem trens rápidos ou hotéis bons

Um trem de alta velocidade se preparando para partir em Tianjin, China. [Foto: Li Ran/Zuma Press]

Repressão de Pequim a milhões de devedores inadimplentes dificulta a regularização de contas em atraso

Qin Huangsheng uma vez imaginou uma vida melhor na cidade quando deixou sua vila natal para se tornar operária em uma fábrica aos 16 anos. Agora, na casa dos 40, ela tem uma dívida pessoal de US$ 40.000 e um salário base de US$ 400 por mês.

Cobradores de dívidas estão constantemente atrás dela. Ela está impedida de comprar passagens no trem de alta velocidade da China, apenas uma das penalidades que o governo está impondo cada vez mais às pessoas que não pagam suas contas.

Nos trens lentos e antigos em que ela é obrigada a viajar, Qin às vezes olha para os outros passageiros e pensa: “Será que todos eles são maus pagadores como eu?”

Pessoas em toda a China estão sendo sobrecarregadas por suas dívidas e por um sistema que as penaliza por não pagar o dinheiro de volta. Pequim está reprimindo os devedores inadimplentes, confiscando seus salários ou os restringindo de conseguir empregos no governo, além de limitar seu acesso a trens de alta velocidade e viagens aéreas.

Muitos são proibidos de comprar apólices de seguro caras e informados de que não podem sair de férias ou se hospedar em hotéis luxuosos. As autoridades podem detê-los se não cumprirem as regras.

O número de pessoas em uma lista negra de inadimplência do governo, disponível publicamente, aumentou quase 50% desde o final de 2019, chegando a 8,3 milhões hoje. Os tribunais podem incluir pessoas na lista negra quando elas não cumprem decisões judiciais para pagar o dinheiro de volta ou são consideradas como não cooperadores com processos legais.

Carregando. A dívida pessoal na China aumentou nos últimos anos. Dívida familiar da China, mensalmente. [CEIC]
Ao contrário dos Estados Unidos, a China não permite que a maioria das pessoas — incluindo aquelas que tiveram momentos de má sorte — declare falência para se livrar de dívidas ruins e seguir em frente com suas vidas, uma política que alguns estudiosos chineses estão criticando como injusta.

A dívida das famílias aumentou 50% nos últimos cinco anos, chegando a cerca de US$ 11 trilhões hoje. Embora isso seja menor do que os US$ 17,5 trilhões que os americanos devem, é uma quantia enorme em um país onde as pessoas ganham muito menos.

Com a queda dos preços das casas, o risco de deflação está se tornando maior e o desemprego sendo um desafio persistente, os líderes chineses estão ansiosos para fazerem as pessoas gastarem mais.

Mas cada dólar adicional destinado a pagar dívidas está tirando um que poderia ser usado para esbanjar em roupas novas ou pagar por férias. A ameaça de punição por atraso no pagamento das dívidas está fazendo com que muitas famílias sejam mais conservadoras com seu dinheiro.

As vendas no varejo de bens de consumo na China aumentaram 4,7% em relação ao ano anterior no primeiro trimestre, informou o governo na terça-feira (16), ficando atrás do crescimento econômico total de 5,3%.

À medida que muitos na China reduzem os gastos, o governo está dando prioridade à aceleração da manufatura e das exportações, uma estratégia que está exacerbando as tensões comerciais com o Ocidente.

Com tantos consumidores chineses sob pressão financeira, empresas ocidentais, incluindo Apple, Estée Lauder e General Motors, relataram vendas mais fracas na China.

Autoridades chinesas não responderam a perguntas sobre o sistema de listagem negra. O governo afirmou anteriormente que busca visar apenas aqueles que têm a capacidade de pagar suas dívidas, mas se recusam.

O longo boom imobiliário da China perdeu força, prejudicando tanto os incorporadores quanto muitos indivíduos. [Foto: Qilai Shen/Bloomberg News]

Por trás do aumento da dívida pessoal na China

O longo boom imobiliário da China foi uma causa significativa do aumento das dívidas pessoais, pois muitas pessoas tiveram que pegar mais empréstimos para poder comprar casas. Alguns compradores contraíram dívidas extras para comprar mais propriedades com objetivos de investimento, às vezes as deixando vazias. Agora que o boom acabou e os preços estão caindo, muitos estão presos com dívidas que não conseguem pagar.

O número de casas listadas para venda aumentou 43% em 2023, chegando a cerca de 400.000 propriedades, de acordo com a empresa de pesquisa imobiliária China Index Academy.

O aumento das dívidas pessoais também é em parte resultado de mais pessoas usando cartões de crédito ou recorrendo a linhas de crédito pessoal para lidar com despesas à medida que a economia estagna.

Muitos economistas dizem que uma crise financeira no estilo dos Estados Unidos é improvável na China em breve. O controle estatal do sistema bancário significa que o governo pode absorver perdas e injetar capital em caso de emergência.

As dívidas das famílias também se estabilizaram em grande parte nos últimos dois anos, à medida que muitas pessoas priorizam o uso de dinheiro extra para quitar dívidas em vez de fazer compras ou investir em ações. Ainda assim, a prevalência de grandes dívidas pessoais é um problema para a liderança da China.

“O boom de dívidas das famílias tendem a levar a resultados macroeconômicos ruins, mesmo na ausência de uma crise financeira”, afirmou Amir Sufi, um economista da Universidade de Chicago. A China não tem uma solução simples. “Uma vez que o ciclo começa, geralmente é um processo doloroso, longo e difícil de prever quando terminará”, apontou Sufi.

Muitos clientes na China usam aplicativos como Alipay e WeChat para pagar por bens e serviços e para ajudá-los a obter empréstimos pessoais. [Foto: Gilles Sabrie/Bloomberg News]

Um sistema rigoroso para devedores

A China tentou durante anos aumentar os gastos pessoais para aliviar a tradicional dependência de sua economia no crescimento de infraestrutura e imobiliário.
Seus bancos emitiram dezenas de milhões de novos cartões de crédito a cada ano, com saldos pendentes aumentando 50% entre 2018 e 2023, ultrapassando a marca de US$1 trilhão.

Aplicativos de tecnologia privada, como Alipay e WeChat, também começaram a ajudar os consumidores a obter empréstimos à medida que seus sistemas de pagamento digital ganhavam popularidade.

Mas quando as dívidas não são pagas, a renda da pessoa pode ser confiscada pelo estado para cobrir suas obrigações, deixando os devedores com uma pequena quantia para sobreviver.

Um homem de 38 anos entrou com um pedido nos tribunais da cidade do sul de Guangzhou para aumentar sua mesada mensal para 12.000 yuan, equivalente a cerca de US$ 1.600, dos 9.500 yuan, para ajudar a pagar as despesas de um recém-nascido.

Juízes negaram seu pedido no final do ano passado e, em vez disso, concluíram que sua mesada deveria ser reduzida em quase 40% porque ele já estava recebendo muito, mostram registros judiciais.

Nesse cenário, um mercado negro surgiu para atender as pessoas na lista negra.

Em um caso, autoridades de Xangai desmantelaram uma rede de cambistas que estavam reservando passagens de trem de alta velocidade em nome de devedores que estavam proibidos de fazer isso por si mesmos. No início de 2021, as autoridades localizaram um devedor que estava usando o serviço e o levaram sob custódia, de acordo com um tribunal local.

Uma charge publicada por um governo local adverte que os “caloteiros” são proibidos de voar, pegar trens de alta velocidade, ir de férias e se hospedar em hotéis luxuosos. [Foto: Governo da Cidade de Huzhou]
O sistema atual dá prioridade à proteção dos credores — frequentemente poderosas instituições estatais — em detrimento de ajudar indivíduos com dificuldades.

Estudiosos que pesquisam o problema dizem que a China precisa urgentemente de um sistema nacional de falência pessoal para alcançar o objetivo do líder Xi Jinping de tornar o país mais equitativo, forçando credores e devedores a dividir os custos de empréstimos inadimplentes.

“Um sistema de falência pessoal é um mecanismo de redistribuição de riqueza”, escreveu Li Shuguang, um estudioso que aconselhou o governo sobre política de falência, em um comentário online em uma revista chinesa no verão passado.

O avanço sobre o assunto tem sido frustrado em parte por opositores que acreditam que tal sistema apenas encorajaria mais pessoas a fugir de suas dívidas.

A saga de uma mulher

Para Qin, a ex-trabalhadora da fábrica, o fácil acesso ao crédito teve graves consequências.

Aos 16 anos, em 1999, Qin embarcou em um ônibus noturno de sua casa na região rural do sul da China para o sujo polo manufatureiro de Dongguan, ao norte de Hong Kong.

Seus pais, que são agricultores, não podiam pagar uma taxa de menos de US$ 15 necessária para que ela fizesse um exame de admissão ao ensino médio. Ela prometeu se virar sozinha e encontrou trabalho em fábricas produtoras de chinelos e jóias de ouro.

Alguns anos depois, Qin conseguiu seu primeiro cartão de crédito. Com ele, comprou um computador para aprender a digitar sozinha e conseguir um emprego melhor.

Quando a fatura foi paga, Qin tentou cancelar o cartão. “Guarde-o para uma emergência”, sugeriu o atendente do banco.

A carreira de Qin floresceu e eventualmente ela se mudou para a metrópole de Guangzhou. Em 2010, ela estava gerenciando licitações para uma empresa que fornecia equipamentos de segurança contra incêndios para projetos imobiliários. Seu ninho de ovos cresceu constantemente com as comissões lucrativas que ela ganhou no boom imobiliário.

Quando o setor imobiliário desacelerou, ela mudou de setor. Um conhecido estava envolvido em uma startup que estava desenvolvendo software para ajudar proprietários de pequenas empresas a coletar dados do WeChat para gerar mais tráfego e auxiliar nos esforços de marketing.

Qin disse que investiu o equivalente a cerca de US$ 150.000 de suas economias no empreendimento. A startup consumiu seu investimento inicial enquanto tentava colocar o software em funcionamento.

Qin disse que concordou em começar a colocar algumas despesas, incluindo material de escritório, aluguel e salários de funcionários, em seus cartões de crédito, e em utilizar linhas de crédito pessoal que havia obtido via WeChat e Alipay.

Ela disse que a apresentação da empresa foi bem recebida. Mas suas perspectivas diminuíram após a pandemia da Covid-19. As dificuldades da empresa deixaram Qin com o equivalente a dezenas de milhares de dólares em dívidas. Ligações de cobradores se tornaram uma ocorrência diária.

Sem a opção de falência, Qin concluiu que um novo emprego era sua única saída dos problemas.

Os trens de alta velocidade da China são proibidos para alguns devedores inadimplentes. [Foto: Hu Panxue/Zuma Press]
“Enquanto eu estiver viva e tiver uma vida, posso trabalhar duro para recuperar o dinheiro”, afirmou ela.

Esse caminho enfrentou dificuldades inesperadas. Em 2021, enquanto se preparava para uma viagem de negócios a Xangai, a mais de 700 milhas a nordeste de Guangzhou, Qin percebeu que havia perdido seu acesso ao trem de alta velocidade, onde é necessário um documento de identidade do governo para comprar uma passagem.

Ela pegou o trem mais lento — e depois saiu desse emprego em parte porque as restrições de viagem estavam tornando isso impossível.

Autoridades locais não responderam a perguntas sobre o caso de Qin e o The Wall Street Journal não conseguiu verificar alguns detalhes de seu relato.

Hoje, Qin está trabalhando em uma loja em Foshan, ao sul de Guangzhou, vendendo medicamentos tradicionais chineses.

Com um salário base de cerca de US$ 400 por mês, ela tem achado difícil reduzir suas dívidas, mas disse que conseguiu pagar dois de seus cartões de crédito até agora, restando cerca de US$ 40.000.

Qin está tentando se manter otimista, esperando que os medicamentos tenham uma grande demanda à medida que a população da China envelhece, abrindo portas para bônus e potencialmente até mesmo administrar sua própria loja.

Ainda assim, ela teve que ser criativa para ganhar o dinheiro para pagar suas dívidas.

Seu emprego atual requer que Qin colete pagamentos dos clientes usando uma carteira digital no WeChat. Mas ela apontou que essa função em sua conta foi congelada várias vezes desde 2022, deixando Qin em busca de ajuda de sua família.

No entanto, ela decidiu não contar a seus pais a extensão total de seus problemas. Se soubessem a verdade, Qin disse, eles “não conseguiriam dormir”.

 

(Com The Wall Street Journal; Título original: China’s Punishment for People With Bad Debts: No Fast Trains or Nice Hotels; tradução feita com auxílio de IA)

Compartilhe em suas redes!

WhatsApp
Facebook
LinkedIn
PUBLICIDADE

Matérias Relacionadas

PUBLICIDADE

Assine o TradeNews Express!

PUBLICIDADE

A Newsletter mais completa do mercado está de cara nova!

Preencha o formulário e cadastre-se para receber todos os dias.

Saiba os meses que as empresas devem pagar proventos em 2024 e monte sua carteira vencedora

Are you sure want to unlock this post?
Unlock left : 0
Are you sure want to cancel subscription?