Alibaba pretende fazer listagem primária em Hong Kong e atrair investidores da China após repressão

Fonte: Alizila

O Alibaba planeja adicionar uma listagem primária em Hong Kong à sua presença em Nova York, visando investidores na China continental, conforme se torna a primeira grande empresa a tirar vantagem de uma mudança nas regras do polo financeiro para atrair empresas chinesas de alta tecnologia.

O movimento da gigante do comércio eletrônico, anunciado hoje (26), dá-se enquanto Washington e Pequim intensificam o escrutínio sobre as listagens de empresas chinesas e após uma devastadora repressão regulatória na China que deixou o Alibaba com uma multa de US$ 2,8 bilhões e anulou uma oferta pública inicial (IPO) de sua afiliada Ant Group.

Também ocorre no contexto de uma disputa de auditoria entre a China e os Estados Unidos que ameaça expulsar centenas de empresas chinesas listadas em Nova York.

Analistas disseram que a mudança deve dar aos investidores da China continental acesso mais fácil às ações por meio de um link para a bolsa de Hong Kong conhecido como Stock Connect. Listagens secundárias em Hong Kong, como a listagem atual do Alibaba, não são permitidas nas negociações da Stock Connect.

As ações subiram 4,8% no fechamento do pregão, enquanto o benchmark de Hong Kong ganhou 1,7%.

“Estar na Stock Connect significa que será mais conveniente para os investidores chineses do continente comprar as ações, então os investidores estão felizes em entrar hoje e comprar as ações em Hong Kong”, diz Louis Tse, diretor administrativo da Wealthy Securities.

Já presente na bolsa de Hong Kong com uma listagem secundária desde 2019, o Alibaba disse que espera que a listagem primária seja concluída até o final de 2022. O presidente-executivo Daniel Zhang disse que a listagem dupla promoveria uma “base de investidores mais ampla e diversificada”.

A medida ocorre depois que a bolsa de valores de Hong Kong mudou suas regras em janeiro para permitir que empresas chinesas “inovadoras” – operando internet ou outro negócio de alta tecnologia – com direitos de voto ponderados ou entidades de participação variável (VIE) executassem listas primárias da cidade.

Sob a estrutura VIE, a empresa chinesa criou uma entidade offshore para fins de listagem no exterior que permite que investidores estrangeiros comprem ações.

“Hong Kong também é a plataforma de lançamento da estratégia de globalização do Alibaba, e estamos totalmente confiantes na economia e no futuro da China”, disse o CEO do Alibaba, Zhang, em comunicado.

REPRESSÃO DE VARREDURA

O Alibaba foi listado na Bolsa de Valores de Nova York em setembro de 2014, marcando o maior IPO da história na época.

Fonte: Reuters

Desde 2020, o preço das ações da empresa despencou nos dois mercados, já que uma ampla repressão regulatória de Pequim atingiu as empresas de tecnologia chinesas.

Ao mesmo tempo, os reguladores dos EUA intensificaram o escrutínio das contas das empresas chinesas listadas em Nova York, exigindo maior transparência.

Embora amplo em escopo, um foco central da repressão da China tem sido os reguladores que buscam expandir a supervisão das ofertas públicas.

No ano passado, as autoridades chinesas lançaram uma investigação sobre a gigante de caronas Didi Global logo após sua listagem em Nova York, citando preocupações com a privacidade de dados.

Mais tarde, a empresa se deslistou em Wall Street e começou os preparativos para a listagem em Hong Kong, levando os analistas a interpretar a investigação como motivada pelo desejo de Pequim de que empresas ricas em dados sejam listadas no mercado interno.

DESACOPLAMENTO DO GRUPO ANT

O Alibaba também se viu em uma mira semelhante quando os reguladores interromperam abruptamente o IPO planejado de US$ 37 bilhões do Ant Group em Hong Kong e em Xangai no final de 2020.

Simultaneamente ao anúncio de sua listagem primária dupla, o Alibaba disse hoje (26) em seu relatório financeiro anual que vários executivos do Ant Group deixaram seus cargos na Alibaba Partnership, um dos principais órgãos decisórios da gigante do comércio eletrônico.

As saídas fazem parte de uma dissociação em andamento da divisão de fintech do Alibaba, estimulada pelo IPO fracassado.

Justin Tang, chefe de pesquisa asiática da consultora de investimentos United First Partners em Singapura, disse que a decisão do Alibaba aumentaria as ações da empresa devido à sua potencial inclusão na Stock Connect.

“No que diz respeito a outras listagens de tecnologia de tipo semelhante, este será o manual para empresas que buscam se proteger contra o risco regulatório que as empresas chinesas estão enfrentando nas bolsas dos EUA”, disse ele.

Para mudar para uma listagem primária dupla, a bolsa de valores de Hong Kong disse que as empresas precisavam ter um bom histórico de pelo menos dois anos financeiros completos listados no exterior e uma capitalização de pelo menos HK $ 40 bilhões (US $ 5,10 bilhões) ou um valor de mercado de pelo menos HK$ 10 bilhões mais receita de no mínimo HK$ 1 bilhão para o ano financeiro mais recente.

(US$ 1 = 7,8493 dólares de Hong Kong)

Compartilhe em suas redes!

WhatsApp
Facebook
Twitter
LinkedIn
PUBLICIDADE

Related Posts

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE