Apareceu no WSJ: Acerto de contas das techs com a realidade segue incompleto

Netflix afirmou recentemente que introduziria anúncios — algo evitado por muito tempo pela companhia. [Foto: Bing Guan/Bloomberg]

[ad_1]

A bolha das techs ou estourou ou apenas parou para respirar no caminho para se tornar ainda mais robusta, a depender de para quem você pergunta. Mas os absolutistas da inovação estão a cada dia mais “Pollyannescos”.

Muitas empresas do setor já sinalizaram assimilação à realidade. Em uma carta aos acionistas em maio, um funcionário da direção-executiva da holding de internet InterActiveCorp (IAC), Joey Levin, escreveu que a guerra, inflação e a reavaliação global de risco levaram a uma redefinição das estruturas de valuation que ele espera que durem por um tempo.

Também a gestora de fundos Cathie Wood, em um episódio de seu webinar, “In The Know”, argumentou que os problemas insurgentes tanto no mundo quanto no mercado dão ainda mais oportunidade à inovação tecnológica.

Quase todos na tecnologia levaram uma surra recentemente, à medida que investidores de repente passaram da valorização do crescimento a todo custo para os lucros e geração de caixa. As ações da IAC, por exemplo, caíram 53% nos últimos 12 meses, enquanto o ETF ARK Innovation da senhorita Wood caiu 64%, de acordo com o FactSet.

As maiores notícias recentes do setor tecnológico foram sobre capitulações. A Netflix disse mês passado que introduziria anúncios – algo que o co-diretor executivo Reed Hastings evitou por muito tempo e até se referiu como uma forma de exploração. A outrora aspiracional Peloton Interactive demitiu seu fundador, baixou o preço de seu hardware e até o empacotou em um novo nível de assinatura na esperança de um futuro mais acessível. Esta semana, o pai do Snapchat, Snap, alertou que o crescimento da publicidade online está desacelerando ainda mais do que o mercado previa, fazendo as ações de mídia social mergulharem.

E, após crescer especialmente por conta da promessa de house-flipping automatizado, ou “iBuying”, a companhia imobiliária online Zillow Group desistiu do negócio com o diretor-executivo Rich Barton denominando-o “muito arriscado, muito volátil” para os lucros, com “poucas oportunidades de retorno sobre patrimônio”.

É muito para um prêmio em inovação. Ações das quatro companhias caíram em média 75% nos últimos 12 meses, Então o mercado ainda não está recompensando a conformação delas ao realismo. Mas companhias ainda sonhando com crescimento ilimitado também podem estar se preparando para um fracasso ainda maior.

Em e-mail aos funcionários no início do mês, o diretor-executivo da Uber, Dara Khosrowshahi, reconheceu o presente afastamento do mercado das promessas de crescimento, mas também falou sobre o desejo de crescer ainda mais rápido em áreas relativas ao delivery de alimentos. Sobre o negócio de transportes da empresa, ele reclamou que menos de 10% dos investidores perguntou recentemente sobre o assunto. “O transporte precisa crescer ainda mais, para os investidores reconhecerem seu valor e o amarem tanto quanto eu amo”, escreveu Khosrowshahi.

Opendoor, uma “iBuyer” pura, espera se tornar uma “empresa nacional para todos os mercados”. Em seu último relatório de ganhos, a Opendoor estava ativa em apenas 48 mercados, deixando outros 88% do país supostamente prontos para serem tomados. A Opendoor conseguiu ganhar dinheiro no primeiro trimestre – mas isso foi em um mercado imobiliário excepcionalmente forte, no qual a receita cresceu 590%, algo que dificilmente vai durar.

Incrivelmente, o ETF ARK Innovation de Cathie Wood registrou cerca de US$ 1,4 bilhões em entradas líquidas apenas neste ano, de acordo com o FactSet.

Não importa se levou 15 anos para o Nasdaq reconquistar o pico da bolha pontocom, no início dos anos 2000. Wood diz que seu horizonte de investimentos é de cinco anos. Sua pesquisa afirma que as condições de mercado de hoje não são nada parecidas com as da bolha de tecnologia e telecomunicações, em parte porque as companhias ainda têm previsão de crescimentos das vendas, enquanto as “sementes” fracassadas no início dos anos 2000 apresentaram receitas cada vez menores. Claro, quando você compara o presente com o que foi possivelmente o período de mercado mais eufórico de todos os tempos, tudo pode parecer benigno.

“O mais forte dos bull markets escala um muro de preocupação… Desta vez, o muro de preocupação atingiu alturas enormes”, escreveu Wood ao mercado hoje. Enquanto isso, o fundo dela prevê retornos de quase 7x para a posição na fabricante de veículos elétricos Tesla para os próximos quatro anos. Ele vê a realidade ampliada em crescimento de 1.000 vezes da capitalização de mercado até 2030. E recentemente disse que vê o preço do Bitcoin subindo para US$ 1 milhão nos próximos quatro a oito anos.

Muita coisa pode acontecer nesse meio tempo. A oferta de US$ 54,20 por ação de Elon Musk pelo Twitter aparenta ser um exemplo próprio de exuberância irracional, apenas um mês após a proposta, com as ações do Twitter agora cotadas 34% abaixo da oferta de Musk. Parece estar ficando claro até mesmo para Musk que ele supervalorizou uma empresa com enorme potencial, mas hoje repleta de desafios.

Investidores de tecnologia ainda otimistas precisam de uma boa olhada nesse espelho sombrio.

 

[ad_2]

Versão em português por Isabela Jordão. Baseado no texto originalmente escrito por Laura Forman para o The Wall Street Journal.

Compartilhe em suas redes!

WhatsApp
Facebook
LinkedIn
PUBLICIDADE

Matérias Relacionadas

PUBLICIDADE

Assine o TradeNews Express!

PUBLICIDADE

A Newsletter mais completa do mercado está de cara nova!

Preencha o formulário e cadastre-se para receber todos os dias.

Saiba os meses que as empresas devem pagar proventos em 2024 e monte sua carteira vencedora

Are you sure want to unlock this post?
Unlock left : 0
Are you sure want to cancel subscription?