CPI dos EUA inspira cautela nos mercados; corte da Opep+ ameaça levar mundo à recessão, diz AIE

ferdinand-stohr-PeFk7fzxTdk-unsplash


As bolsas da Europa ensaiam recuperação nesta quinta-feira (13), invertendo o tom negativo da abertura, mas a cautela tende a prevalecer antes da publicação de novos dados da inflação ao consumidor (CPI) dos Estados Unidos, que devem ajudar o Federal Reserve (Fed) a determinar em que ritmo seguirá elevando juros. 

Na América do Norte, o humor não é muito diferente, e os futuros de Nova York operam em leve alta, com acionistas também atentos ao CPI americano. Ontem, os números da inflação ao produtor (PPI) do país superaram as expectativas. 

O PPI dos EUA avançou 0,4% em setembro ante agosto, acima da previsão de avanço de 0,2% no período feita por analistas consultados pelo Wall Street Journal (WSJ).

O núcleo do PPI, que exclui itens voláteis como alimentos e energia, também avançou 0,4% na comparação mensal de setembro, acima da projeção de alta de 0,3%. 

A BlackRock registrou lucro líquido de US$ 1,40 bilhão no terceiro trimestre de 2022 (ou USS$ 9,25 por ação), 16% menor do que o ganho de US$ 1,681 bilhão obtido em igual período do ano passado, segundo balanço financeiro divulgado hoje. Com ajustes, o lucro por ação entre julho e setembro foi de US$ 9,55, superando de longe o consenso da FactSet, de US$ 7,06.

Já a receita trimestral da maior gestora de ativos do mundo caiu 15% na mesma comparação, a US$ 4,311 bilhões, mas também superou a projeção da FactSet, de US$ 4,20 bilhões.

No fim de setembro, a BlackRock tinha US$ 7,961 trilhões em ativos sob sua administração.

De volta às praças europeias, o CPI da Alemanha subiu 1,9% em setembro ante agosto. Na comparação anual, o avanço foi de 10% no mês passado. Ambos os números confirmaram a leitura prévia do dado e também vieram em linha com a previsão de analistas.

Em um momento de inflação elevada e crescimento econômico fraco, a recente decisão da Opep+ de cortar significativamente sua oferta de petróleo ameaça aprofundar a atual crise energética global ao impulsionar os preços da commodity, afirmou a Agência Internacional de Energia (AIE).

Em relatório mensal publicado hoje, a AIE avalia que a redução de dois milhões de barris por dia (bpd) na meta de produção da Opep+, que atraiu fortes críticas dos EUA e de aliados, apertará o mercado de petróleo ainda mais num quadro de extrema vulnerabilidade, com poucas alternativas adicionais de fontes de oferta que possam compensar a iniciativa.

“Em meio ao impacto das pressões inflacionárias implacáveis e dos aumentos de juros, a alta nos preços do petróleo poderá se tornar o ponto de inflexão para uma economia global que já está à beira da recessão”, ponderou a agência.

Na Ásia, as bolsas fecharam em queda generalizada, também em compasso de espera pelos dados de inflação ao consumidor dos EUA. A China publica os números de inflação ao consumidor e produtor à noite. 

Por aqui, o ministro da Economia, Paulo Guedes, e o presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, prosseguem com compromissos no âmbito do encontro mundial do Fundo Monetário Internacional (FMI), em Washington. 

No front político, o candidato à Presidência da República pelo PT, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, prometeu, durante discurso para a imprensa em Salvador, na Bahia, fazer uma “política tributária progressiva”, caso eleito. 

“Nós vamos ter que fazer uma política tributária correta. Não é possível que um trabalhador que vai comprar 1kg de feijão pague o mesmo imposto que paga o presidente do Santander naquele quilo de feijão”, comparou o petista, nesta quarta-feira (12).

Na esteira das promessas, Lula reiterou a proposta de seu programa de governo de aumentar a isenção do imposto de renda para trabalhadores que ganham salários de até R$ 5 mil. A isenção também chegou a ser proposta pelo atual presidente Jair Bolsonaro (PL), que disputa o segundo turno presidencial com o petista, ainda em 2018.

O presidente Jair Bolsonaro (PL), candidato à reeleição, afirmou na última quarta-feira (12), que, a depender dele, o ministro da Economia, Paulo Guedes, deve permanecer no governo num eventual segundo mandato. A declaração foi dada em entrevista gravada para a TV Alterosa, concedida ao lado do governador reeleito de Minas Gerais, Romeu Zema (Novo). Na ocasião, o presidente ainda disse que comparecerá a “todos os debates” eleitorais.

“Não está previsto sair ninguém, a não ser que queira sair. Paulo Guedes fica. Ele foi um dos melhores ministros da Economia do mundo, levando-se em conta inclusive a questão da pandemia. Como Roberto Campos, pelo terceiro ano seguido, é o melhor ministro em alguns muitos critérios, do Banco Central, que agora nós demos independência no BC”, disse Bolsonaro, emendando que Guedes é o “nosso Pelé” na economia.

Desempenho dos principais índices às 7h55:

🇺🇸 S&P Futures +0,55%

🇩🇪 DAX +0,89%

🇺🇸 Nasdaq +0,35%

🇬🇧 FTSE +0,05%

🇫🇷 CAC +0,34%

🛢 Petróleo Brent +0,12%

🛢 Petróleo WTI +0,03%

💵 Índice Dólar -0,22%

🇺🇸 S&P VIX +0,12%

🇧🇷 EWZ -0,54%

💰 Bitcoin -2,55%

💲 Ethereum -4,47%

 

(Com Agência Estado)

Compartilhe em suas redes!

WhatsApp
Facebook
LinkedIn
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

Matérias Relacionadas

PUBLICIDADE

Assine o TradeNews Express!

PUBLICIDADE

A Newsletter mais completa do mercado está de cara nova!

Preencha o formulário e cadastre-se para receber todos os dias.

Saiba os meses que as empresas devem pagar proventos em 2024 e monte sua carteira vencedora

Are you sure want to unlock this post?
Unlock left : 0
Are you sure want to cancel subscription?