Ibovespa fecha em alta, descolado do exterior às vésperas de “Super Quarta”

business-5475664_960_720

O Ibovespa fechou em alta nesta terça-feira (20), apesar do cenário de cautela e aversão ao risco no exterior. Investidores aguardam as decisões de política monetária de amanhã, tanto no Brasil quanto nos Estados Unidos. Enquanto as expectativas em relação ao ciclo de altas de juros doméstico são mais positivas, a perspectiva para o Fed é de uma manutenção da postura agressiva (hawkish).

O dia foi de agenda relativamente esvaziada, com o foco do mercado nas reuniões de amanhã do Copom e do Fed, que devem ditar o comportamento das bolsas de valores ao redor do mundo.

O dólar fechou em queda, apesar do fortalecimento da moeda no mercado internacional. Hoje, operadores registraram fluxo estrangeiro positivo na bolsa brasileira e uma continuidade no movimento de redução de posições defensivas, iniciado ontem.

📊 Ibovespa 112.516,91 pontos (+0,62%)
💰 Volume R$ 26,7 bilhões
💵 Dólar R$ 5,1525 (-0,25%)

Um dos principais destaques positivos de hoje foi o setor bancário, com papéis figurando entre as maiores altas da sessão às vésperas da decisão de política monetária do Copom. A expectativa é de que a taxa Selic seja mantida no patamar atual, de 13,75% ao ano. Bradesco (BBDC3) avançou 3,67%, enquanto Itaú (ITUB4) e Santander (SANB11) tiveram ganhos de 3,32% e 2,30%, respectivamente.

A 3R Petroleum (RRRP3) avançou 1,39% hoje, impulsionada pela notícia de que a companhia aprovou a compra de 15% do capital social da 3R Offshore no valor de R$ 12 milhões de reais. A XP Investimentos afirmou, via relatório, que vê a aquisição como positiva, por ser altamente geradora de valor para a empresa.

A Embraer (EMBR3) também esteve entre os maiores avanços do pregão, com 3,78%. A empresa anunciou, hoje, que assinou um acordo de aquisição de participação minoritária em uma companhia brasileira de drones, a XMobots, sem revelar o valor da operação.

A maior alta do dia ficou com o Carrefour (CRFB3), que, destoando do setor de varejo, foi beneficiado pela perspectiva de estabilidade dos juros no país. O papel registrou alta de 4,06%, enquanto GPA (PCAR3) avançou 1,73%. Americanas (AMER3) e Magazine Luiza (MGLU3) registraram queda de 0,34% e 2,63%, respectivamente.

Do lado negativo, a Ecorodovias (ECOR3) recuou 4,39% em meio à persistência de incertezas dos investidores em relação ao resultado do leilão do lote Noroeste de São Paulo.

A CVC (CVCB3) caiu 3,92%, com investidores repercutindo a proposta de uma possível aquisição das operações da Ōner Travel no Brasil e em Portugal.

As mineradoras e siderúrgicas também foram pressionadas e fecharam em queda, na esteira da forte queda de 3,96% do minério de ferro no mercado internacional. Além disso, dados do Instituto Aço Brasil apontam para um menor índice de vendas e enfraquecimento da produção em agosto no mercado interno. Vale (VALE3) e CSN (CSNA3) recuaram 1,43% e 3,89%, enquanto Usiminas (USIM5) e Braskem (BRKM5) caíram 2,73% e 0,67%, respectivamente.

⬆️ Maiores Altas do Ibovespa

🟢 CRFB3 +4,06%
🟢 EMBR3 +3,78%
🟢 BBDC3 +3,67%

⬇️ Maiores Baixas do Ibovespa

🔴 ECOR3 -4,39%
🔴 CVCB3 -3,92%
🔴 CSNA3 -3,89%

(Com Agência Estado e BDM Online)

Compartilhe em suas redes!

WhatsApp
Facebook
LinkedIn
PUBLICIDADE

Matérias Relacionadas

PUBLICIDADE

Assine o TradeNews Express!

PUBLICIDADE

A Newsletter mais completa do mercado está de cara nova!

Preencha o formulário e cadastre-se para receber todos os dias.

Saiba os meses que as empresas devem pagar proventos em 2024 e monte sua carteira vencedora

Are you sure want to unlock this post?
Unlock left : 0
Are you sure want to cancel subscription?