Ibovespa fecha em alta, recuperando os 130 mil pontos

tablet-de-capital-arranha-ceus-tela-de-cambio

O Ibovespa fechou em alta nesta terça-feira (06), voltando ao patamar de 130 mil pontos, nível perdido no meio do mês passado. O índice foi apoiado por cenários macro e micro favoráveis.

Ontem, depois do encerramento do pregão, a Cielo divulgou seu balanço e a notícia de que o Banco do Brasil e o Bradesco, seus controladores, trabalham em uma oferta milionária para deslistar a companhia da Bolsa. No pregão de hoje, o fraco desempenho da empresa de maquininhas no quarto trimestre de 2023 foi ofuscado, sendo possível a elevação do valor de mercado a R$ 14,208 bilhões – maior nível desde maio do ano passado – e o avanço de 3,98% dos papéis, a R$ 5,23 cada.

Os contratos de petróleo estenderam a alta de ontem, diante do anúncio de estímulos econômicos na China e continuidade de conflitos no Oriente Médio. O setor petrolífero no Brasil, portanto, foi beneficiado e subiu em bloco. As ações ordinárias e preferenciais da Petrobras subiram 1,51%, a R$ 42,97, e 0,92%, a R$ 41,59, respectivamente, o que levou o valor de mercado da estatal a tocar R$ 555 bilhões no meio da tarde – um novo recorde em menos de uma semana.

Apesar de o minério de ferro seguir recuando na China, o setor de mineração e siderurgia seguiu o bom humor do mercado. A Vale subiu 1,77%, a R$ 66,67; a CSN Mineração avançou 1,08%, a R$ 6,53; a Gerdau PN registrou alta de 1,83%, a R$ 21,73; a Metalúrgica Gerdau ganhou 2,30%, a R$ 10,21; a CSN se fortaleceu 3,57%, a R$ 17,99; e os papéis da Usiminas elevaram 1,43%, a R$ 9,22.

As ações do Bradesco, que já eram apoiadas pela expectativa de que o banco reporte bons resultados no quarto trimestre de 2023, foram ainda mais impulsionadas pela notícia da Cielo, acumulando alta de 6,21%, a R$ 16,60. Para o BTG Pactual, o banco será especialmente beneficiado, tendo em vista que seu principal concorrente, o Itaú, integrou seu braço adquirente, a Rede, em sua recém-criada vertical voltada a PMEs. No setor bancário, o Banco do Brasil subiu 2,16%, a R$ 59,60; o Itaú avançou 4,29%, a R$ 34,79; o Santander registrou ganhos de 2,16%, a R$ 29,76.

Dentre as maiores altas do índice, Natura &Co se destacou diante da potencial cisão da Natura Latam e da Avon, e Eletrobras se apoiou perspectiva de investidores de que a empresa apresente um bom balanço.

O dólar fechou em queda de 0,39%, a R$ 4,9622.

📊 Ibovespa 130.416,31 pontos (+2,21%)
💰 Volume R$ 27,2 bilhões
💵 Dólar R$ 4,9622 (-0,39%)

A queda dos DIs favoreceu os ativos cíclicos, dentro e fora do Ibovespa. Casas Bahia e Magazine Luiza registraram altas de mais de 5%. Fora do Ibovespa, a Gol recuperou parte das perdas recentes.

No lado negativo do índice, Embraer desvalorizou quase 4%, pressionada pelo rebaixamento do papel de compra para neutra pelo HSBC. A Localiza, por sua vez, caiu 1,95%, com diminuição do preço-alvo pelo Goldman Sachs, diante da visão de deterioração do mercado de carros usados no Brasil. A Rumo também esteve entre as cinco perdas do pregão, com o Imea revisando para baixo a produção de soja no estado do Mato Grosso no ciclo 2023/24.

⬆️ Maiores altas do índice
🟢 NTCO3 +6,8%
🟢 BBDC4 +6,2%
🟢 ELET3 +5,6%

⬇️ Maiores baixas do índice
🔴 EMBR3 -3,8%
🔴 RENT3 -2,0%
🔴 HAPV3 -0,8%

(Com Broadcast e Bloomberg)

Compartilhe em suas redes!

WhatsApp
Facebook
LinkedIn
PUBLICIDADE

Matérias Relacionadas

PUBLICIDADE

Assine o TradeNews Express!

PUBLICIDADE

A Newsletter mais completa do mercado está de cara nova!

Preencha o formulário e cadastre-se para receber todos os dias.

Are you sure want to unlock this post?
Unlock left : 0
Are you sure want to cancel subscription?