Ibovespa oscila entre perdas e ganhos após quatro dias de alta, com investidores de olho no Copom

Ibovespa oscila entre perdas e ganhos após quatro dias de alta, com investidores de olho no Copom


O Ibovespa oscila entre altas e baixas nesta quarta-feira (8), apesar do índice futuro ter sinalizado na abertura, para uma alta, virando também para queda depois das primeiras negociações. Investidores brasileiros, além do mercado externo, dão destaque à decisão do Comitê de Política Monetária do Banco Central (Copom), que divulga a partir das 18h30 (horário de Brasília) a nova taxa Selic – com projeção de alta de 1,5 ponto percentual, chegando a 9,25% ao ano.

Às 10h33, o benchmark da Bolsa tinha queda de 0,07%, a 107.484 pontos, após quatro sessões de ganhos. O dólar comercial recuava 0,06%, negociado a R$ 5,614 na compra e a R$ 5,615 na venda. No mercado de juros futuros, o DI para janeiro de 2023 cai 0,13 p.p. para 11,35%; DI para janeiro de 2025 recua 0,19 p.p. a 10,65%; e o DI para janeiro de 2027 cai 0,19 p.p. a 10,65%

Além da decisão do Banco Central, há também a questão da PEC dos Precatórios. Na noite de ontem, o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco, e o da Câmara, Arthur Lira, afirmaram ter chegado a um acordo sobre a promulgação de parte PEC dos Precatórios, que será fatiada.

A ideia, agora, é aprovar os pontos comuns apoiados pelas as duas casas, o que deve já abrir caminho fiscal para a proposta no orçamento de 2022, mas mantendo o chamado “pingue-pongue” para os que geram divergências.

Nos dados macroeconômicos, destaque, no Brasil, para a publicação das vendas do varejo de outubro, que recuaram 0,10% em outubro, ante expectativa de alta de 0,80%. “As atividades de varejo permanecem em tendência de queda em meio a persistente alta da inflação, a condições financeiras mais restritivas, ao aumento do endividamento das famílias e a mudança do gasto privado de bens para serviços”, comentou a XP Investimentos, em relatório.

Nos EUA os futuros, por volta das 10h10 (horário de Brasília), caminham para o quinto pregão consecutivo de alta, com o Dow Jones, S&P 500 e Nasdaq avançando todos cerca de 0,20%. Houve, porém, desaceleração das altas na comparação com o começo do dia.

Os Estados Unidos, tem destaque, com visão positiva, para o avanço do acordo entre democratas e republicanos para aumentar o teto da dívida no país. Ontem, o líder republicano no Senado, Mitch McConnel, sinalizou que o seu partido colaborará com os democratas, ao menos parcialmente, na questão. “Os títulos de dívida americanos são ativos livre de risco, e um default geraria uma cadeia de crescimento de risco para as bolsas internacionais”, explica Henrique Esteter, especialista de mercado do InfoMoney.

Se os índices norte-americanos caminham para mais um dia da sequência de altas, a Europa aponta para um dia negativo, com os investidores acompanhando a escalada das tensões entre Estados Unidos e a Rússia, após os presidentes Joe Biden e Vladimir Putin discutirem, em tom tenso, a questão da Ucrânia. Biden chegou a afirmar que uma invasão poderia gerar respostas “para além da economia”.

Um problema com a Rússia é visto como empecilho ao Europeu, uma vez que o país, recentemente, aumentou sua importância na economia regional por conta do crescimento do seu fornecimento de gás natural.

O DAX, da Alemanha, recua 0,50%, o dia em que Angela Merkel deixa o posto de chanceler do país, após 16 anos. O FTSE, de Londres, é o único no campo positivo, subindo 0,17%. O CAC, da Paris, cai 0,13% e o FTSE MIB, de Milão, 0,64%.

Além da questão da Rússia, passou a pesar nos índices europeus, que estavam mais cedo majoritariamente em alta, a sinalização de que o Reino Unido pode aumentar de restrições impostas para frear o crescimento dos casos da covid-19.

A Ásia, por fim, surfou mais uma vez com as notícias positivas da Ômicron e, para além disso, com as sinalizações de que a China irá interferir no problema das grandes incorporadoras do país.

“A diminuição dos compulsórios e a implementação de autoridades para atuar dentro de incorporadoras apontam que o governo chinês pretende atua na questão. Isso vem trazendo um alivio para os ativos de risco da região, mesmo com as companhias, como a Evergrande, não pagando ou dando indícios de que irão pagar suas dívidas”, diz o especialista do InfoMoney.

O índice Nikkei, do Japão, fechou em alta de 1,42%; o de Shangai, na China, subiu 1,17% e a Kospi, da Coréia do Sul, avançou 0,34%. O HSI, de Hong Kong, ficou estável – impactado ainda pela queda das ações da Evergrande e também pelas companhias de tecnologia, que ainda recuam com as possíveis interferências do Partido Comunista Chinês.

Radar Corporativo

O noticiário corporativo desta quarta-feira tem como destaque que o Tribunal de Contas da União pautou para hoje (8) a primeira análise sobre o plano de desestatização da Eletrobras (ELET3;ELET6). Além disso, a Cosan (CSAN3) aprovou o pagamento de dividendos.

Já a BRF (BRFS3) manteve em seu guidance estimativa de receita líquida de R$ 65 bilhões para o período de 2021 a 2024.

A Positivo Tecnologia (POSI3) anunciou parceria com a NEXGO para lançamento de quatro modelos de terminais de pagamento.

Tempo Real: Confira análises corporativas e a cobertura instantânea das últimas notícias do mercado

Eletrobras

O Tribunal de Contas da União (TCU) pautou para esta quarta-feira a primeira análise sobre o plano de desestatização da Eletrobras. Mesmo com alguns alertas, o órgão de controle deve aprovar sem grandes alterações a proposta apresentada pelo governo.

A análise do processo foi dividida em duas etapas, sendo a primeira de “valuation”, pautada para a sessão de hoje, e a segunda com o modelo do edital da operação, que funcionará por meio de uma capitalização da estatal sem a participação do governo.

Com a aprovação da primeira parte, o gabinete do relator dará andamento ao restante do processo, ainda sem prazo para ser levado ao plenário. O governo pretende concluir a privatização no primeiro semestre do ano que vem.

BRF

A companhia de alimentos BRF mantém estimativa de receita líquida de 65 bilhões de reais para o período de 2021 a 2024.

Em dezembro do ano passado, a empresa também projetava receita de 65 bilhões de reais, mas para o intervalo entre 2021 e 2023.

A companhia ainda manteve a expectativa de investimentos até 2030 em, cerca de 55 bilhões de reais, incluindo os desembolsos realizados em 2021, com estabelecimento de limite prudencial de alavancagem financeira líquida de até 3 vezes.

Petrobras

O ministro da Economia, Paulo Guedes, afirmou que a Petrobras não está na lista de privatizações do primeiro governo Bolsonaro.

Guedes ainda reforçou que é favorável a fazer com a Petrobras o mesmo processo da Eletrobras. “O ciclo das grandes estatais no Brasil acabou”, enfatizou.

Cosan

A Cosan aprovou a distribuição de R$ 0,374619 por ação em dividendos intercalares, perfazendo o total de R$ 700 milhões.

Os referidos proventos terão como base de cálculo a posição acionária de 14 de dezembro. O pagamento dos dividendos ocorrerá no dia 28 de dezembro.

Bradesco

O Bradesco (BBDC3;BBDC4]) firmou ontem acordo de participação no programa de incentivos da Elo visando a incrementar as vendas de cartões da bandeira emitidos pelo Bradesco.

Segundo comunicado, o objetivo é aumentar o volume de transações nos cartões Elo. A vigência do contrato é de 10 anos contados a partir de 01 de janeiro de 2022.

Analista da Rico Corretora ensina ferramentas práticas a extrair lucro do mercado financeiro de forma consistente. Inscreva-se Grátis.

Compartilhe em suas redes!

WhatsApp
Facebook
Twitter
LinkedIn
PUBLICIDADE

Matérias Relacionadas

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

Receba o TradeNews no seu e-mail

Are you sure want to unlock this post?
Unlock left : 0
Are you sure want to cancel subscription?