Ibovespa recua na esteira de NY, mas Petrobras (PETR3; PETR4) reduz perdas

business-5475664_960_720

O Ibovespa acompanhou as bolsas de NY e operou em alta durante a manhã, mas reverteu sinal e fechou em queda nesta quarta-feira (31). No mês, o índice avançou 6,16%, descolado do desempenho ruim de pares internacionais. Ontem e hoje, a cautela presente no exterior passou a se tornar mais evidente, com a redução do fluxo de capital estrangeiro nas últimas sessões

O dólar fechou novamente em alta, voltando ao patamar de R$ 5,20 e apagando a queda acumulada no mês de agosto. As moedas de emergentes, de um modo geral, foram pressionadas por mais um dia de queda nas cotações das commodities, especialmente o petróleo e o minério de ferro.

📊 Ibovespa 109.522,88 pontos (-0,82%)
💰 Volume R$ 31,4 bilhões
💵 Dólar R$ 5,2015 (+1,73%)

Entre os destaques positivos, reduzindo as perdas do índice, a Petrobras não foi pressionada pela queda do petróleo no mercado internacional e fechou em alta de 2,94% nos papéis ON (PETR3) e 2,47% nos PN (PETR4). Hoje ocorre o pagamento da primeira parcela de dividendos e juros sobre capital próprio (JCP) aos acionistas posicionados em 11 de agosto, no valor de R$ 3,36 por ação.

Além disso, a valorização do dólar ante o real favorece papéis ligados a commodities, conforme destaca o estrategista-chefe do Grupo Laatus, Jefferson Laatus. A Vale (VALE3), inclusive, chegou a registrar alta ao longo da manhã, apesar da queda do minério de ferro, mas reverteu o sinal e fechou em queda de 0,72%.

As maiores altas de hoje foram Méliuz (CASH3), com 3,97%, GPA (PCAR3), com 3,38% e Petz (PETZ3), com 3,24%.

Do lado negativo, a Hapvida (HAPV3) esteve entre as maiores quedas da sessão, com 3,18%, devolvendo parte dos ganhos apurados no mês de agosto. Ontem, a empresa anunciou a renúncia de três membros de seu Conselho de Administração.

Além disso, a aprovação no Senado do PL que obriga os planos de saúde a realizarem a cobertura de tratamentos que estão fora da lista de procedimentos da ANS pressionou os papéis da companhia, assim como os da Qualicorp (QUAL3), que recuou 3,90%. Ainda assim, cabe destacar que a Rede D’Or (RDOR3) e a SulAmérica (SULA11) fecharam em alta de 1,00% e 1,90%, respectivamente,, por conta do otimismo do mercado referente à aquisição da segunda pela primeira.

O setor bancário também teve desempenho ruim, após registrar alta durante a primeira parte do dia. Banco do Brasil (BBAS3) teve queda de 1,51%, Santander (SANB11), de 2,26% e Bradesco (BBDC4) de -2,52%

Algumas varejistas, como Americanas (AMER3) e Magazine Luiza (MGLU3), também figuraram entre as maiores quedas de hoje, com 4,11% e 5,32% respectivamente, enquanto a Alpargatas (ALPA4) liderou com 5,54%. A Dexco (DXCO3) recuou 4,84%, após ter o preço-alvo de suas ações rebaixado tanto pelo Goldman Sachs quanto pelo JP Morgan.

O IRB Brasil (IRBR3) teve mais um pregão de queda, recuando 4,65% ainda em meio às expectativas dos investidores de que os papéis da companhia vão despencar na oferta bilionária de ações, que ocorrerá amanhã. O mercado também repercute a venda do prédio-sede da companhia no Rio de Janeiro, sinal de fragilidade.

⬆️ Maiores Altas do Ibovespa

🟢 CASH3 +3,97%
🟢 PCAR3 +3,38%
🟢 PETZ3 +3,24%

⬇️ Maiores Baixas do Ibovespa

🔴 ALPA4 -5,54%
🔴 MGLU3 -5,32%
🔴 BRKM5 -4,84%

(Com Agência Estado, BDM Online e Reuters)

Compartilhe em suas redes!

WhatsApp
Facebook
LinkedIn
PUBLICIDADE

Matérias Relacionadas

PUBLICIDADE

Assine o TradeNews Express!

PUBLICIDADE

A Newsletter mais completa do mercado está de cara nova!

Preencha o formulário e cadastre-se para receber todos os dias.

Saiba os meses que as empresas devem pagar proventos em 2024 e monte sua carteira vencedora

Are you sure want to unlock this post?
Unlock left : 0
Are you sure want to cancel subscription?