Investidores começam a questionar se carros autônomos podem mesmo se tornar realidade

WhatsApp Image 2022-11-28 at 12.36.19

Depois de anos de metas ambiciosas e promessas ousadas, os investidores estão ficando impacientes com o ritmo de desenvolvimento dos carros autônomos, ameaçando um setor que se acostumou com a disponibilidade de pilhas de dinheiro.

As montadoras deram um passo atrás em seus planos para a tecnologia nas últimas semanas, em meio à nova pressão para reduzir as despesas durante a desaceleração econômica. O TCI Fund Management, um fundo de hedge influente, também questionou a Alphabet, dona do Google, sobre os longos anos de esforço para aprimorar a tecnologia de direção autônoma – um empreendimento que se mostrou mais espinhoso do que muitos especialistas previam apenas há alguns anos.

O TCI Fund enviou este mês uma carta à Alphabet interrogando sobre os gastos contínuos da empresa em sua unidade autônoma, a Waymo. “A Waymo não justificou seus investimentos excessivos, e suas perdas devem ser reduzidas drasticamente”, escreveu Christopher Hohn, diretor administrativo da TCI, na carta. A Waymo se recusou a comentar.

A Waymo se beneficiou da paciência da Alphabet, que começou a trabalhar em carros autônomos há mais de uma década. A unidade começou a arrecadar dinheiro de investidores externos em 2020 – um movimento que gerou especulações de que a empresa estaria preparando uma cisão como uma empresa autônoma.

A unidade opera carros sem motorista em um serviço de carona para clientes pagantes na área metropolitana de Phoenix, capital do estado do Arizona, no sudoeste dos EUA, e está expandindo para São Francisco e Los Angeles. No mês passado, o Co-CEO da Waymo, Tekedra Mawakana, falou sobre os desafios de implantar com segurança a nova tecnologia.

“Trata-se de ser paciente no aprendizado, mas ser preciso em nossa execução”, disse Mawakana. “Esta é uma oportunidade realmente de longo prazo.”

A Intel, no mês passado, abriu o capital de sua unidade de tecnologia automotiva Mobileye em uma oferta pública inicial que avaliou a empresa em US$ 23 bilhões no primeiro dia de negociação – bem abaixo dos US$ 50 bilhões que seus líderes almejavam inicialmente.

A Ford Motor e a Volkswagen também recuaram em seus planos de veículos autônomos, no final de outubro, encerrando seu investimento conjunto na empresa Argo.

Fonte: Dow Jones Newswires

As duas montadoras rivais investiram bilhões de dólares na startup no final da década passada, quando ambas tinham carros totalmente robóticos no centro de seus planos para serviços futuros e fluxos de receita.

Cada empresa disse que planeja reimplantar recursos para a tecnologia considerada mais viável no curto prazo, como sistemas de assistência ao motorista e abordagens automatizadas que permitem que os veículos pilotem sozinhos em situações com um motorista humano envolvido.

“Ficou muito claro que veículos totalmente autônomos e lucrativos em escala ainda estão muito distantes”, disse John Lawler, diretor financeiro da Ford.

Enquanto isso, a Nuro, outra startup da área, divulgou este mês que reduziria a equipe em cerca de 20%, citando dificuldades para levantar novos fundos.

A mudança de sentimento é notável em comparação com alguns anos atrás, quando uma grande variedade de empresas, da Motor City ao Vale do Silício, apostava na tecnologia de direção autônoma para revolucionar a indústria automobilística e liberar bilhões de dólares em novas receitas.

Um acordo de US$ 1 bilhão pela General Motors (GM) para adquirir uma startup de veículos autônomos chamada Cruise foi uma das muitas apostas, já que as empresas competiam para garantir talentos e provar aos investidores que estavam se preparando para o futuro.

Fonte: Dow Jones NewsWire

O CEO da Tesla, Elon Musk, prometeu em 2016 demonstrar um veículo viajando de maneira totalmente autônoma de Los Angeles a Nova York até o final de 2017 – uma data que veio e passou sem tal exibição pública. Suas expectativas para veículos autônomos ajudaram a impulsionar as ações da Tesla e torná-la a montadora mais valiosa do mundo.

O entusiasmo da indústria começou a minguar em 2018, após um veículo de teste usado pela Uber atingir e matar um pedestre. O incidente levou a uma avaliação mais atenta da tecnologia e revelou os desafios de segurança envolvidos na entrega de um veículo “nas mãos” de um robô.

À medida que algumas empresas passam das demonstrações para a implantação, fica claro que, por enquanto, é necessário um processo interno complexo e caro de manutenção e operações para mediar essas redes de veículos.

Adam Jonas, analista do Morgan Stanley, disse em outubro que não estava mais atribuindo nenhum valor ao negócio de carros autônomos da Cruise da GM em sua avaliação do valor empresarial da montadora.

Ele afirmou ainda que esperava que as perdas da GM na unidade – que ele atualmente estima em US$ 2 bilhões por ano – possivelmente dobrassem nos próximos anos. “Acreditamos que a GM pode perceber que seu investimento na Cruise é um ‘custo irrecuperável’ e deve seguir em frente”, escreveu ele.

Mesmo em meio ao pessimismo, muitos analistas dizem que a tecnologia autônoma ainda tem grande potencial, entregando uma decisão difícil para as montadoras que avaliam as necessidades futuras.

A General Motors continua otimista e disse que é necessário um investimento sustentado de longo prazo para torná-los um sucesso comercial. No início deste ano, a companhia aprofundou seu apoio à Cruise, gastando US$ 3,45 bilhões para comprar a participação do SoftBank Vision Fund e fornecer à sua divisão de carros autônomos capital adicional.

Um porta-voz da GM disse que a empresa discorda da avaliação de Jonas, citando comentários recentes da CEO da General Motors, Mary Barra, que acredita que Cruise agora é líder em veículos autônomos.

“Todo fabricante de automóveis precisará de uma estratégia de autonomia, assim como todos precisam de uma estratégia para veículos elétricos”, disse Gene Munster, sócio-gerente da Loup Ventures, uma empresa de capital de risco especializada em pesquisa tecnológica. “Provavelmente estamos a cinco anos de um ponto de inflexão, e as empresas que desejam colher os benefícios precisam investir agressivamente nessa tecnologia hoje.”

 

 

(com Dow Jones NewsWire)

Compartilhe em suas redes!

WhatsApp
Facebook
LinkedIn
PUBLICIDADE

Matérias Relacionadas

PUBLICIDADE

Assine o TradeNews Express!

PUBLICIDADE

A Newsletter mais completa do mercado está de cara nova!

Preencha o formulário e cadastre-se para receber todos os dias.

Saiba os meses que as empresas devem pagar proventos em 2024 e monte sua carteira vencedora

Are you sure want to unlock this post?
Unlock left : 0
Are you sure want to cancel subscription?