Israel ataca o Irã em meio a temores de escalada do conflito no Oriente Médio

biden israel

Explosões relatadas perto da cidade central de Isfahan; Irã revoga restrições de espaço aéreo enquanto mídia estatal minimiza o incidente

Israel retaliou o Irã durante a noite de quinta-feira (19), em resposta ao massivo ataque de drones e mísseis do em território israelense, com o que parecia ser um ataque limitado destinado a evitar um ciclo de escalada que poderia aproximar os países da guerra.

O secretário de Estado dos EUA, Antony Blinken, se recusou a dizer se o país havia recebido aviso prévio do ataque de Israel. “Não vou falar sobre isso, exceto para dizer que os Estados Unidos não estiveram envolvidos em quaisquer operações ofensivas”, afirmou Blinken em uma coletiva de imprensa no final de uma conferência do G7 em Capri, Itália.

Seu homólogo italiano, Antonio Tajani, apontou que Israel informou os EUA de seu plano “no último minuto”.

Israel ataca o centro do Irã. [Fonte: WSJ]
Blinken também se recusou a caracterizar o ataque israelense ao Irã, e se considerava o evento algo limitado ou uma escalada. “Tudo o que posso dizer é que, da nossa parte e de todo o G7, o foco tem sido na desescalada e para evitar um conflito maior”, ressaltou.

O ataque foi direcionado na área ao redor de Isfahan, no centro do Irã, disse uma das fontes ouvidas pelo Wall Street Journal. A mídia iraniana e as redes sociais relataram explosões perto da cidade, onde o Irã tem instalações nucleares e uma base aérea, e a ativação de sistemas de defesa aérea em províncias de todo o país depois que objetos voadores suspeitos foram detectados.

Muito permaneceu incerto sobre a extensão ou o impacto da ação de Israel. A agência de notícias estatal iraniana IRNA destacou que seus repórteres não haviam visto danos ou explosões em larga escala em qualquer lugar do país, e que nenhum incidente foi relatado nas instalações nucleares do Irã. Restrições de voo impostas durante a noite pelo Irã foram suspensas pela manhã.

A televisão estatal iraniana repetidamente minimizou o episódio em suas transmissões, dizendo que três pequenos objetos voadores foram abatidos pelos sistemas de defesa aérea e sugerindo que eles haviam sido lançados de dentro do país.

O chefe do exército do Irã, Abdolrahim Mousavi, afirmou à mídia estatal que as explosões ouvidas em Isfahan foram resultado da derrubada de um objeto suspeito que não causou danos. Enquanto isso, a mídia estatal da Síria disse que Israel também atacou os locais de defesa aérea no país.

O Irã nos últimos dias evacuou pessoal de locais na Síria, onde seu Corpo de Guardas Revolucionários Islâmicos tem grande presença. Israel disse a aliados árabes nesta semana que poderia limitar seus ataques retaliatórios a instalações ligadas ao Irã na Síria, informou o WSJ.

O exército israelense se recusou a comentar sobre os ataques na Síria, refletindo uma reticência mais ampla entre os oficiais israelenses para falar sobre os ataques no Irã ou na Síria.

O ataque limitado de Israel e a retórica do Irã em resposta pareciam ser uma tentativa de ambas as partes de acalmar as tensões após mais de uma semana de preocupações de que a guerra de Israel com o Hamas em Gaza se transformasse em um conflito regional maior, embora permaneçam temores de um erro de cálculo. Israel estava sob pressão dos EUA e da Europa para moderar sua resposta, e enfrentava o desafio de realizar um golpe que punisse o Irã pelo ataque sem provocar uma resposta.

Em Israel, o exército informou na noite de quinta-feira que não houve mudanças nas instruções do comando da frente interna que orientam o público sobre quando procurar abrigo, indicando que os oficiais israelenses não estavam esperando uma grande retaliação iraniana.

Isfahan abriga uma base aérea iraniana que possui baterias antiaéreas S-300, um sofisticado sistema de defesa aérea fabricado pela Rússia, de acordo com pesquisadores de fontes abertas que acompanham imagens de satélite.

Mark Dubowitz, diretor executivo do think tank com sede em Washington Foundation for Defense of Democracies, disse que o ataque de Israel provavelmente visou a base como uma resposta simétrica ao ataque do Irã a uma base aérea israelense no sábado.

Ele pontuou que o ataque de Israel provavelmente foi a primeira vez que atingiu um alvo militar no Irã protegido pelo S-300. O fato de Isfahan também abrigar importantes instalações nucleares iranianas, prosseguiu Dubowitz, também a tornou uma escolha simbólica para Israel.

A TV estatal iraniana divulgou nesta sexta-feira (19) o que disse serem imagens ao vivo de Isfahan, minimizando o ataque de Israel perto da cidade. [Foto: TV Estadual Iraniana/Agence France-Presse/Getty Images]

Cidades israelenses como Tel Aviv não receberam ordens de abrigo na sexta-feira, indicando que as autoridades não esperavam uma grande retaliação do Irã. [Foto: Jack guez/Agence France-Presse/Getty Images]
“Isso envia uma mensagem de que podemos penetrar as defesas aéreas e atingir as joias da coroa”, pontuou Dubowitz.

A ação israelense foi uma resposta a um ataque direto sem precedentes do Irã, que envolveu mais de 300 drones e mísseis direcionados ao território israelense. Esse ataque, por sua vez, foi uma retaliação a um ataque atribuído an Israel que matou altos oficiais iranianos em Damasco, na Síria.

A maioria dos drones e mísseis lançados pelo Irã foram derrubados, e o restante causou pouco dano e não resultou em mortes, dando a Israel margem para responder com menos intensidade.

O Irã aumentou as advertências nos últimos dias de que responderia de forma agressiva a qualquer ataque israelense. Também sinalizou na quinta que poderia acelerar o trabalho em armas nucleares se suas instalações nucleares fossem alvo de ataque.

O primeiro-ministro israelense Benjamin Netanyahu. [Foto: Kira Hofmann/Zuma Press]
Na última segunda-feira (15), o primeiro-ministro israelense Benjamin Netanyahu disse a ministros de seu partido Likud que estava determinado a responder ao Irã, mas que a ação seria “sensata e não algo irresponsável”, de acordo com uma pessoa familiarizada com o assunto.

O ministro da Defesa de Israel, Yoav Gallant, e o secretário de Defesa dos EUA, Lloyd Austin, também falaram na quinta-feira para discutir as ações do Irã na região, de acordo com o Pentágono.

A Rússia comunicou a Israel que o Irã não quer que os conflitos que recentemente surgiram entre eles se intensifiquem, e Moscou também não quer um aumento nas tensões, disse o ministro das Relações Exteriores da Rússia, Sergei Lavrov, a veículos de comunicação estatais na sexta-feira.

Em uma entrevista ao jornal diário Komsomolskaya Pravda e às estações de rádio Sputnik e Moscow Speaks, Lavrov revelou que houve contatos telefônicos entre a liderança em Moscou e Teerã, e entre representantes russos e o governo israelense.

“Nós claramente […] transmitimos aos israelenses que o Irã não quer escalada”, afirmou Lavrov.

O Ministro de Segurança Nacional de Israel, Itamar Ben-Gvir, um membro da coalizão governante de Netanyahu, foi um dos poucos funcionários israelenses a reagir publicamente ao ataque no Irã. Ele escreveu uma postagem de uma palavra em X: “Fraco.”

Israel, por outro lado, permaneceu oficialmente em silêncio sobre o ataque.

O confronto direto entre Israel e Irã arriscou levar o conflito que começou com o ataque do grupo militante Hamas em Israel em 7 de outubro a um novo e perigoso nível, ameaçando envolver os EUA e os estados do Golfo em uma conflagração regional que eles trabalharam arduamente para evitar.

Um sistema de defesa aérea em uma base militar no norte de Teerã no início desta semana. [Foto: Vahid Salemi/Associated Press]
O Irã há muito tempo conduzia seu conflito com Israel por meio de uma rede de procurações no Oriente Médio, no Iraque, Síria, Líbano e Iêmen, buscando evitar um conflito convencional em larga escala. Ele mudou essa equação com os ataques diretos contra Israel, arriscando que pudesse redefinir as regras informais que têm proporcionado alguma previsibilidade aos ataques e contra-ataques ao longo dos anos.

Autoridades israelenses afirmaram que os ataques diretos exigiam uma resposta. A retaliação durante a noite não é o primeiro ataque de Israel dentro do território do Irã.

Em janeiro de 2023, um ataque de drone israelense dentro do Irã atingiu uma instalação avançada de produção de armas, de acordo com pessoas familiarizadas com a operação. O ataque foi realizado pelo Mossad de Israel e teve como alvo um local do Ministério da Defesa em Isfahan, atingindo um prédio em quatro áreas diferentes com ataques de precisão, disseram as pessoas.

Israel nunca reconheceu aquela operação. As pessoas familiarizadas com o assunto ouvidas pelo WSJ a compararam a um ataque de drone quadricóptero israelense, em 2022, em locais de produção de drones iranianos na cidade ocidental de Kermanshah.

Israel está lidando com um número crescente de desafios militares. Já está lutando em três frentes: em Gaza contra o Hamas e em sua fronteira norte com o Hezbollah — ambos financiados e armados pelo Irã —, além de tentar conter a agitação na Cisjordânia.

Na sexta-feira, o exército israelense disse que lançou um ataque aéreo em um prédio no sul do Líbano onde combatentes do Hezbollah estavam operando, o mais recente confronto de fogo cruzado entre as duas partes.

Israel está sob pressão para restaurar a dissuasão com o Irã e seus procuradores, mas também precisa manter a parceria estratégica tênue que o ajudou a bloquear o ataque do Irã no último sábado.

“Um ‘ataque de desescalada'”, escreveu Yonatan Touva, analista sênior do Mitvim, um think tank em Tel Aviv, sobre o ataque de Israel ao território iraniano. “Salvo desenvolvimentos inesperados, o ataque de Israel dentro do Irã no início de hoje pode muito bem merecer a cunhagem deste novo termo.”

Iranianos participaram de um comício anti-Israel em Teerã na sexta-feira. [Foto: majid asgaripour/Reuters]
(Com The Wall Street Journal; Título original: Israel Strikes Iran in Narrow Attack Amid Escalation Fears; tradução feita com auxílio de IA)

Compartilhe em suas redes!

WhatsApp
Facebook
LinkedIn
PUBLICIDADE

Matérias Relacionadas

PUBLICIDADE

Assine o TradeNews Express!

PUBLICIDADE

A Newsletter mais completa do mercado está de cara nova!

Preencha o formulário e cadastre-se para receber todos os dias.

Saiba os meses que as empresas devem pagar proventos em 2024 e monte sua carteira vencedora

Are you sure want to unlock this post?
Unlock left : 0
Are you sure want to cancel subscription?