Laço delicado entre EUA e China ganha mais pressão com eleições em Taiwan

im-912198

A vitória de Lai Ching-te, visto pela China como um separatista perigoso, testará os esforços de Biden e Xi Jinping para estabilizar as relações

A eleição do candidato presidencial de Taiwan que a China mais desconfia coloca em risco a relação frágil entre Washington e Pequim, ameaçando outro confronto entre as maiores potências econômicas e militares do mundo.

No último sábado (13), os eleitores deram ao Partido Democrático Progressista mais quatro anos no poder, desta vez escolhendo como presidente eleito o atual vice-presidente, Lai Ching-te, que a China condena como um instigador inflexível da independência de Taiwan – resultado que Pequim prometeu impedir, pela força, se necessário.

Embora esperada, a vitória de Lai aumenta a atenção global sobre a ilha democraticamente autogovernada e sua enorme importância na rivalidade estratégica entre os EUA e a China, que descreveu Taiwan como a questão mais sensível em seu relacionamento com Washington.

O presidente Biden mostrou que está ciente das linhas vermelhas de Pequim, respondendo à pergunta de um repórter no sábado sobre a eleição de Taiwan, dizendo: “Não apoiamos a independência”. O Departamento de Estado parabenizou Lai separadamente e disse que os EUA trabalhariam com ele para aprofundar os laços com Taipei – observações que as autoridades afirmaram ser consistentes com as garantias americanas anteriores à Pequim.

A China, por sua vez, procurou enfraquecer a legitimidade de Lai, descartando sua vitória como não representativa da opinião dominante em Taiwan. Em vez disso, Pequim prometeu seguir em frente com sua busca pelo controle da ilha, enquanto repreendia o Departamento de Estado por enviar “um sinal gravemente errado às forças separatistas da ‘independência de Taiwan'”.

A troca de mensagens ressaltou a fragilidade da contínua aproximação entre os EUA e a China, apesar de uma série de trocas diplomáticas nas últimas semanas com o objetivo de minimizar os pontos de tensão bilateral.

Também há projeção de que Pequim demonstre irritação com a eleição de Lai, intensificando a pressão nas frentes econômica, militar e diplomática – incluindo medidas tarifárias, exercícios de combate e maiores esforços para restringir os laços de Taipei com outros governos, de acordo com autoridades americanas e taiwanesas, bem como analistas de defesa. 

Nesta segunda-feira (15), Taiwan perdeu o reconhecimento diplomático da nação insular de Nauru, no Pacífico, que disse que buscaria laços com a China – uma mudança que Taipei atribuiu a Pequim.

O candidato vencedor e seu companheiro de chapa comemoraram com apoiadores no sábado. [Foto: Annice Lyn/Getty Images]
Desde que Biden e o líder chinês Xi Jinping saíram de uma cúpula em novembro com um acordo para estabilizar as relações após anos de vínculo quebrado, os dois governos realizaram discussões sobre comunicações militares, combate ao narcotráfico, controles de tecnologia e Taiwan – um ponto de conflito bem conhecido.

A vitória de Lai agora coloca à prova o acordo recente.

A atual pausa nas tensões é tática, impulsionada por objetivos de curto prazo, explicaram autoridades americanas atuais e antigas. Embora Washington e Pequim estejam competindo por excelência no cenário global, nenhum dos lados quer uma crise, com Xi tentando reanimar a economia apática da China e o governo Biden lutando contra as guerras na Ucrânia e no Oriente Médio.

Agora, com Lai se preparando para assumir o cargo em maio, manter o controle sobre as tensões exigirá moderação de Pequim, Washington e Taipei para evitar a repetição de ciclos anteriores de provocação e reação, de acordo com as autoridades e especialistas em política externa.

As primeiras declarações de Washington sobre a eleição de Taiwan “definiram um tom, e a ideia básica é diminuir o alcance”, argumentou Chen Ming-chi, executivo-chefe do Institute for National Defense and Security Research, um think tank apoiado pelos militares de Taiwan. “Desta vez, provavelmente, a China também está disposta a cooperar”, disse Chen, que prevê que Xi dará mais atenção às questões internas.

Em seu discurso de vitória, Lai reiterou a promessa de campanha de manter o status quo e prometeu trabalhar com seus rivais políticos, que adotaram uma postura mais acolhedora em relação a Pequim. O partido governista DPP perdeu o controle da legislação após a votação de sábado, limitando a capacidade de Lai de colocar Taiwan em um caminho drasticamente diferente.

É improvável que isso seja suficiente para Pequim, que descreveu Lai e o DPP como separatistas que estão levando Taiwan ao conflito. O partido governista defende uma identidade taiwanesa única, separada da China, e é visto como tradicionalmente pró-independência.

Embora Washington, o principal parceiro de defesa de Taiwan, tenha criado laços produtivos com a atual presidente da ilha, Tsai Ing-wen, algumas autoridades americanas consideram Lai mais inclinado a ultrapassar os limites da retórica da independência. Várias vezes durante a campanha, os comentários de Lai atraíram críticas de Pequim e despertaram preocupação em Washington.

Os membros do Congresso, especialmente os republicanos céticos em relação a Pequim, têm apoiado firmemente o governo do DPP, o vendo como mais disposto a enfrentar a China, e é provável que pressionem o governo Biden a adotar uma linha mais dura em relação a quaisquer ameaças chinesas. 

Mike Johnson, o republicano de Louisiana que é o atual presidente da Câmara, se reuniu com o principal representante de Taiwan, em Washington, na última terça-feira (09).

Um passo em falso de Lai, ou a flexibilização militar de Pequim, poderia abalar o equilíbrio, levando Washington a repreender Lai ou a responder à China com uma demonstração de força.

Taiwan, uma ilha democraticamente autogovernada, é um ponto de conflito bem conhecido nas relações entre os EUA e a China. [Foto: NG Han Guan/Associated Press]
Pequim está calibrando sua resposta para tentar fazer com que Washington impeça Lai de pressionar os limites da tolerância da China, disse Yun Sun, do Stimson Center, um think tank de Washington. Pequim quer “enviar uma mensagem, para instar os EUA a co-gerenciar Lai com a China”, falou ela.

O governo Biden, ao saudar a eleição de Lai, afirmou que os EUA querem ver estabilidade na região e “a resolução pacífica das diferenças, livre de coerção e pressão” entre Taipei e Pequim. 

Washington também enviou duas autoridades aposentadas – o ex-conselheiro de segurança nacional Stephen Hadley e o ex-vice-secretário de Estado James Steinberg – a Taiwan para se reunir com os principais políticos locais, seguindo práticas anteriores que são feitas após as eleições presidenciais de Taiwan.

A delegação dos EUA teve reuniões separadas com Lai e com a presidente Tsai, segundo o DPP e o gabinete presidencial.

A última onda de discórdia entre os EUA e a China em relação a Taiwan ocorreu em 2022, quando a então presidente da Câmara dos Deputados, Nancy Pelosi, visitou Taipei. Pequim respondeu realizando extensos exercícios militares ao redor da ilha e cortando a maioria dos contatos com os EUA.

Desde então, os militares chineses mantiveram operações de alta velocidade, pilotando aviões, utilizando navios e, mais recentemente, enviando balões de alta altitude sobre Taiwan. No entanto, uma recente mudança de pessoal no estabelecimento de defesa da China estimulou a especulação de uma demissão de alto nível e levantou questões sobre a prontidão de combate dos militares chineses. 

A vitória de Lai provavelmente significa que Taipei continuará a intensificar a coordenação de defesa com Washington, o que pode irritar as relações entre os EUA e a China. Mas o governo de Lai deve negociar prováveis bloqueios legislativos – dada a ausência de uma maioria legislativa do DPP – na busca de políticas que os Estados Unidos consideram fundamentais para a defesa de Taiwan.

A nova legislatura de Taiwan, na qual o DPP e o Kuomintang (Partido Nacionalista), principal partido de oposição, estão intimamente ligados, poderia reduzir o financiamento para a compra de minas anti-navio, mísseis e outros armamentos diferenciados que, segundo os EUA, Taiwan precisa para se defender de Pequim.

Os legisladores também poderiam tentar alterar o plano do atual governo do DPP de estender o alistamento militar de todos os jovens para 12 meses, em vez dos atuais quatro meses, que alguns especialistas militares argumentam ser insuficiente.

(Com The Wall Street Journal; Título original: Taiwan Election Piles Pressure on Delicate U.S.-China Ties)

Compartilhe em suas redes!

WhatsApp
Facebook
LinkedIn
PUBLICIDADE

Matérias Relacionadas

PUBLICIDADE

Assine o TradeNews Express!

PUBLICIDADE

A Newsletter mais completa do mercado está de cara nova!

Preencha o formulário e cadastre-se para receber todos os dias.

Saiba os meses que as empresas devem pagar proventos em 2024 e monte sua carteira vencedora

Are you sure want to unlock this post?
Unlock left : 0
Are you sure want to cancel subscription?