Lula e Bolsonaro “estão tecnicamente empatados, a verdade é essa”, comenta ex-funcionário do Ministério da Economia

JGP Política eleições

É a última semana antes de uma “eleição milimétrica”, como Afonso Pacífico, analista político da JGP, descreveu o segundo turno da corrida eleitoral.

No evento “Perspectivas do Cenário Político para a Próxima Legislatura”, promovido pela gestora na última sexta-feira (21), Pacífico ponderou sobre os cenários pré e pós-primeiro turno e os possíveis rumos do Brasil sob a presidência de cada candidato.

Gestor federal concursado do Ministério da Economia durante quase dez anos, Afonso Pacífico ocupou cargos e funções na Presidência da República durante os governos de Dilma, Temer e Bolsonaro – e enxerga diferenças políticas e econômicas reais entre governos de esquerda e direita.

“Quem diz que política e eleição não fazem preço, ou desconhece [o assunto] ou está mentindo”, afirma. O analista destacou o resultado das eleições para o Legislativo como mais importante que a escolha para o Executivo.

O novo Congresso

Da década de atuação no Planalto, Pacífico narrou a existência de uma “direita enrustida” que se revelou apenas em face da eleição de Jair Bolsonaro em 2018.

Enquanto parlamentares à esquerda do espectro político em maioria sempre definiram a si mesmos esquerdistas, os congressistas mais à destra diziam-se de centro antes do governo vigente.

De acordo com Pacífico, Bolsonaro representa um fenômeno político nacional, demonstrado na eleição para o Senado de todos os apadrinhados políticos do atual presidente.

“O voto em Damares foi claramente de direita”, menciona, relacionando a ex-ministra do Ministério da Mulher, Família e Direitos Humanos à chamada pauta de costumes. Damares Alves foi eleita senadora pelo Distrito Federal com 44,98% dos votos válidos.

PL terá 99 deputados na Câmara em 2023. [Foto: Fábio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil]
Quanto aos figurões já conhecidos da política nacional, Afonso Pacífico apontou Valdemar Costa Neto, presidente do Partido Liberal (PL), sigla de 99 dos deputados da Câmara e 13 Senadores em 2023 – as maiores bancadas em ambas as Casas – como verdadeiro vencedor do pleito de 2022, seja quem ganhe a faixa presidencial. “Ele certamente vai indicar algum ministério se Bolsonaro for reeleito”, sugeriu o especialista da JGP.

O atual presidente concorre à reeleição filiado ao PL.

Se a agremiação de Costa Neto saiu fortalecida, o Partido da Social-Democracia Brasileira (PSDB), na concepção de Pacífico, obteve saldo inversamente proporcional. “Minimamente ficou um partido sem identidade”, afirmou, tendo em vista a divisão interna entre os membros do partido sobre as declarações de apoio no segundo turno.

Contagem regressiva para o segundo turno

Lula e Bolsonaro “estão tecnicamente empatados, a verdade é essa”. Afonso Pacífico utiliza como base as pesquisas de intenções de voto produzidas pelo Instituto Paraná Pesquisas, homenageado na Assembleia Legislativa paranaense este mês como a instituição cujas sondagens mais se aproximaram do real resultado das urnas no primeiro turno.

Sobre as demais pesquisas divulgadas na primeira metade das eleições, o analista considera “claramente um erro de metodologia”.

Ao comentar sobre os apoios dos candidatos à presidência derrotados Simone Tebet e Ciro Gomes, bem como o de Romeu Zema – reeleito para o governo de Minas Gerais, maior colégio eleitoral do país – a Bolsonaro, Pacífico sinalizou que “todo e qualquer apoio é significativo”, mas de não garantem transferência imediata de votos.

Compartilhe em suas redes!

WhatsApp
Facebook
LinkedIn
PUBLICIDADE

Matérias Relacionadas

PUBLICIDADE

Assine o TradeNews Express!

PUBLICIDADE

A Newsletter mais completa do mercado está de cara nova!

Preencha o formulário e cadastre-se para receber todos os dias.

Saiba os meses que as empresas devem pagar proventos em 2024 e monte sua carteira vencedora

Are you sure want to unlock this post?
Unlock left : 0
Are you sure want to cancel subscription?