Mais do mesmo? Hollywood conta com figurinhas repetidas para gerar bilheteria

im-948976

Sequências de franquias menos exploradas devem dominar os lançamentos cinematográficos deste ano, mas investidores antecipam resultados fracos para a indústria

Se Barbenheimer ensinou alguma coisa à indústria cinematográfica, é que o público anseia por algo novo — e ainda assim familiar.

O sucesso duplo de bilheteria do ano passado com “Barbie” e “Oppenheimer” foi um ponto positivo em um ano marcado pelo impacto das greves trabalhistas de Hollywood e, em menor medida, pelo enfraquecimento das franquias de super-heróis que vinham sustentando a indústria ao longo da última década.

“Barbie” e “Oppenheimer”, juntamente com “Super Mario Bros”, foram os maiores sucessos de bilheteria do ano, arrecadando mais de US$ 3,7 bilhões combinados.

E embora os três filmes fossem baseados em personagens conhecidos de brinquedos, história e videogames, nenhum deles foi baseado em uma franquia de filmes estabelecida.

No entanto, encontrar propriedade intelectual superconhecida, mas ainda não explorada, é muito mais fácil falar do que fazer. Assim, a indústria ainda está contando com sequências ou propriedades e personagens conhecidos de outros formatos de mídia.

Entre os cerca de 20 filmes ainda programados para lançamento este ano, e que se espera arrecadar mais de US$ 100 milhões nacionalmente, 17 são sequências.

E daqueles que restam, “Wicked” e “O dublê” da Universal Studios são baseados em trabalhos estabelecidos da Broadway e da televisão, enquanto “Kraven – O Caçador” da Sony é baseado em um personagem anteriormente não explorado do universo Marvel.

À moda antiga. Principais lançamentos teatrais de 2024, anos desde a sequência mais recente. [Fonte: WSJ]
Onze das sequências serão lançadas mais de cinco anos após os filmes mais recentes de suas respectivas franquias. Isso inclui “Deadpool & Wolverine” da Disney, que é amplamente esperado para ser o maior filme do ano e atualmente é o único projetado para ultrapassar os US$ 300 milhões nacionalmente, de acordo com a Hollywood Stock Exchange, um mercado virtual onde os jogadores apostam nos resultados de bilheteria.

Isso estaria alinhado com o desempenho dos dois filmes anteriores do Deadpool, o mais recente tendo sido lançado há seis anos. Cinco dos principais lançamentos deste ano serão uma década ou mais após o lançamento anterior de suas respectivas franquias.

“Beetlejuice Beetlejuice”, da Warner, e “Twisters”, da Universal, são sequências de filmes lançados pela primeira vez em 1988 e 1996, respectivamente.

Em uma indústria que estava se acostumando a ver três lançamentos da Marvel por ano, esse ritmo parece bastante contido. Também tem mostrado alguns sinais iniciais de sucesso.

Os três filmes de maior bilheteria que ultrapassaram US$ 100 milhões nacionalmente até agora este ano são “Duna: Parte Dois”, “Godzilla x Kong: O Novo Império” e “Kung Fu Panda 4”. Os dois primeiros são sequências de filmes lançados em 2021, enquanto o mais recente “Kung Fu Panda” foi lançado em 2016.

E “Top Gun: Maverick” mostrou que sucessos isolados dos anos 80 podem ter uma nova vida; esse filme arrecadou quase US$ 1,5 bilhão globalmente após seu lançamento no verão de 2022.

Tempo de tela. Receita de bilheteria doméstica por ano. [Fonte: Box office Mojo;Macquarie Research]

No entanto, isso não foi suficiente para tirar completamente a indústria de seu marasmo pós-pandêmico.

A bilheteria doméstica gerou até agora vendas de US$ 1,84 bilhão, o que representa cerca de 17% a menos do que neste mesmo período do ano passado e quase 40% abaixo da média da indústria durante as primeiras 15 semanas nos anos pré-pandêmicos de 2015-2019, de acordo com dados do Box Office Mojo.

E mesmo após a empolgação da feira comercial da indústria CinemaCon na semana passada, que apresentou prévias inéditas e exibições completas de grandes lançamentos em andamento, os analistas ainda esperam em grande parte que a bilheteria deste ano seja inferior à do ano passado — e bem abaixo do nível pré-pandêmico da indústria.

“Estou muito mais otimista em relação à segunda metade de 2024 e 2025”, afirmou o analista da Macquarie Research, Chad Beynon, após a conferência. Mas ele ainda espera que a receita de bilheteria doméstica caia 7% este ano.

“Estamos todos olhando para isso com um olhar cético”, acrescentou.

O único ponto positivo pode acabar sendo o IMAX, já que os poucos frequentadores de cinema restantes da indústria estão mostrando uma preferência maior por experiências premium.

O CEO Rich Gelfond destacou em uma conferência da Morgan Stanley no mês passado que os cinemas IMAX responderam por 23% da bilheteria doméstica de “Duna: Parte Dois”, apesar de representarem menos de 1% das telas domésticas.

Atualmente, Wall Street projeta que a receita do IMAX cresça ligeiramente este ano, em comparação com quedas de cerca de 6% projetadas para as cadeias nacionais Cinemark e AMC Entertainment.

Até os rostos familiares podem precisar de ajuda dos telões muito maiores.

 

(Com The Wall Street Journal; Título original: Hollywood Still Banks On the Familiar for Box Office; tradução feita com IA)

Compartilhe em suas redes!

WhatsApp
Facebook
LinkedIn
PUBLICIDADE

Matérias Relacionadas

PUBLICIDADE

Assine o TradeNews Express!

PUBLICIDADE

A Newsletter mais completa do mercado está de cara nova!

Preencha o formulário e cadastre-se para receber todos os dias.

Saiba os meses que as empresas devem pagar proventos em 2024 e monte sua carteira vencedora

Are you sure want to unlock this post?
Unlock left : 0
Are you sure want to cancel subscription?