Mercado de ações americano decepciona em 2022 e início de 2023 não deve ser diferente

Fonte: The Wall Street Journal

Um dos motivos pelos quais os mercados subverteram as expectativas de Wall Street em 2022 foi a carência de novos recordes nos índices de ações.

Poucos analistas ou investidores esperavam que 2022 trouxesse uma repetição dos ganhos gigantescos vistos em 2021 – quando o S&P 500 registrou 70 fechamentos recordes, o maior em mais de duas décadas. Mas a escassez de marcos no ano passado foi quase tão impressionante quanto os ganhos avassaladores de 2021.

O S&P 500 encerrou 2022 com apenas um fechamento recorde, o menor total desde 2012, segundo o Dow Jones Market Data. O Dow Jones Industrial Average fechou o ano com dois. E o Nasdaq Composite, focado em tecnologia, terminou sem nenhum registro fechado em seu nome – a primeira vez que isso acontece desde 2014.

A falta de novos recordes ocorreu em um ano louco que também viu declínios notáveis em ativos como títulos, que geralmente são considerados seguros, e aqueles que geralmente não são, como criptomoedas. Todos os mercado viram muitos investidores paralisados durante grande parte de 2022.

Depois de estabelecer uma nova máxima de fechamento em 3 de janeiro, o primeiro dia de negociação do ano anterior, o S&P 500 começou a cair durante o resto de 2022. O Dow estabeleceu um recorde consecutivo de fechamento nos dois primeiros dias de negociação do período, depois seguiu o ritmo negativo do S&P 500.

A queda do S&P foi de 19%, seu pior ano desde 2008, quando bancos norte-americanos como Bear Stearns, Lehman Brothers e Wachovia entraram em colapso. O Dow e o Nasdaq também registraram seus piores anos desde 2008.

Uma métrica frequentemente rastreada nos mercados financeiros, o número de recordes que os índices de ações atingem é importante principalmente do ponto de vista psicológico.

Nos últimos anos, investidores individuais e profissionais comemoraram o aumento da contagem à medida que avançavam nos mercados, esperando que, mesmo nos dias em que os mercados caíssem, outro recorde estaria próximo. Por outro lado, a queda de 2022 deu a poucos investidores a confiança para voltar com os dois pés, afirmam investidores e estrategistas.

“Dia após dia, quando você ouve sobre novos recordes, isso tem implicações psicológicas sobre como as pessoas negociam”, disse Craig Erlam, analista sênior de mercado da Oanda.

Secas de recordes podem durar anos, mostra a história. Em 2008, por exemplo, quando a crise financeira global abalou os mercados, todos os três principais índices dos Estados Unidos terminaram o ano sem alcançar novas marcas. Demorou até 2013 para pelo menos conseguir o feito. Após o estouro da bolha especulativa em 2000, os principais índices dos EUA também não registraram recordes por vários anos.

Fonte: Reuters

Ainda assim, isso não significa necessariamente que novos recordes serão impossíveis em 2023. Olhando mais para trás na história, nem o S&P 500, nem o Dow ou o Nasdaq alcançaram recordes em 1988, após o forte crash da Black Monday em outubro de 1987. Mas os índices voltaram com força no ano seguinte, marcando novos fechamentos.

O desempenho do mercado neste ano dependerá da trajetória dos juros e da força da economia dos EUA. Muitos investidores estão divididos sobre se o país entrará em recessão, quão severa ela pode ser e se pode levar o Federal Reserve a começar a cortar as taxas de juros.

Os estrategistas do JPMorgan esperam que o S&P 500 teste novamente as mínimas de 2022 na primeira metade do ano, dizendo que o Fed continuará apertando à medida que a economia enfraquecer.

Mas eles apostam que a segunda metade do ano será melhor – pelo menos para os mercados. Entre as razões, os estrategistas disseram: a liquidação do mercado, combinada com a desaceleração da inflação, aumento do desemprego e declínio do sentimento corporativo, pode levar o Fed a começar a sinalizar um corte nas taxas de juros e, por sua vez, estimular uma recuperação do mercado.

Os estrategistas do JPMorgan, liderados por Marko Kolanovic e Hussein Malik, esperam que o S&P 500 termine o ano em 4200. Isso é cerca de 9% acima do fechamento de sexta-feira (30), mas ainda não o suficiente para registrar um recorde de fechamento.

 

(The Wall Street Journal)

Compartilhe em suas redes!

WhatsApp
Facebook
LinkedIn
PUBLICIDADE

Matérias Relacionadas

PUBLICIDADE

Assine o TradeNews Express!

PUBLICIDADE

A Newsletter mais completa do mercado está de cara nova!

Preencha o formulário e cadastre-se para receber todos os dias.

Saiba os meses que as empresas devem pagar proventos em 2024 e monte sua carteira vencedora

Are you sure want to unlock this post?
Unlock left : 0
Are you sure want to cancel subscription?