O dólar forte tem levado turistas americanos a experiências premium em países baratos

1716809294620

Com o dólar em alta, os turistas americanos podem gastar mais que os locais em alguns dos principais destinos de viagem do mundo

Turistas americanos visitando a Ásia, América do Sul e Europa Oriental estão melhorando suas acomodações e desfrutando de refeições chiques a preços que não podem ser comparados em casa.

O dólar forte, impulsionado por altas taxas de juros e uma economia sólida, permite que aqueles que normalmente procuram por negócios se sintam ricos o suficiente para reservar mesas em restaurantes recomendados pelo Guia Michelin.

Em uma viagem à Argentina em fevereiro, Cecile Blot, de 44 anos, ficou surpresa com o quão barato era jantar. Ela jantou com sua mãe em um restaurante de Buenos Aires, onde eles pediram vários aperitivos, um bife, costelas, sobremesa e uma garrafa de vinho por cerca de US$ 60.

“Tudo foi maravilhoso e em um restaurante muito chique em um dos bairros mais sofisticados de Buenos Aires”, disse Blot. “E muito acessível.”

Cecile Blot descobriu que a Argentina era um destino acessível em seu caminho para a Antártida. [Foto: Cecile Blot]
No geral, o Índice de Dólar WSJ subiu cerca de 4% este ano, com o dólar subindo cerca de 2% em relação ao euro e mais de 11% em relação ao iene japonês.

Isso significa que o dólar vai particularmente longe no Japão, onde o iene está em seu nível mais fraco em décadas, e na Argentina, onde o peso está próximo de um recorde histórico baixo. Outros destinos turísticos populares onde o dólar pode comprar mais este ano são Hungria, Coreia do Sul, Tailândia, Brasil e Canadá.

Os americanos não terão o mesmo retorno por seu dinheiro na maior parte da Europa neste meio de ano, disse Steven Carvell, professor da escola de administração hoteleira da Universidade Cornell. Turistas em surtos pós-pandêmicos elevaram os preços, e as Olimpíadas de Paris estão inflacionando ainda mais os preços na França e nos países vizinhos, apontou ele.

“A demanda na Europa disparou”, destacou. Operadores de turismo “precificam isso e sabem que os americanos não são tão sensíveis ao preço.”

Temporada alta no Japão, mas preços fora da temporada

Kai Heiser, de 20 anos, geralmente se hospeda em hostels acessíveis em viagens ao exterior. Mas para passar quase um mês de férias no Japão em abril — a famosa temporada de flores de cerejeira — ele procurou opções com classificações mais altas porque gastar alguns dólares a mais poderia render um grande aumento no conforto.

“O custo foi uma questão secundária”, argumentou Heiser, que mora na Califórnia.

Kai Heiser gastou aproximadamente $2.500 em sua viagem de um mês para o Japão durante a temporada de floração das cerejeiras. [Foto: Kai Heiser]
Quase 800 mil americanos viajaram para o Japão durante os primeiros quatro meses do ano, superando o recorde do ano passado, de acordo com a Japan National Tourism Organization.

Em abril, quase 230 mil pessoas viajaram dos EUA para o Japão, representando 7,5% de todos os turistas. O valor do dólar no Japão subiu mais de 10% no último ano, onde agora vale cerca de 156 ienes.

Os turistas americanos gastam em torno de US$ 2.100 em média durante a visita ao Japão e ficam por mais de nove dias, de acordo com a JNTO.

Heiser contou que gastou cerca de US$ 2.500 durante sua viagem. O dólar mais forte significava que ele pôde explorar templos budistas e santuários xintoístas a vontade, já que as taxas de entrada geralmente não ultrapassavam US$ 5, disse ele.

Status Michelin na Hungria, sem choque de preços

Jacqlyn Schneider, de 43 anos, visitou bares de vinhos, bares escondidos e locais de jantar de alto nível durante sua viagem a Budapeste. O que mais se destacou para ela foi a conta no final de cada refeição.

Schneider jantou com sua irmã no Felix Kitchen & Bar, um restaurante recomendado pelo Michelin, conhecido por sua fachada semelhante a um castelo e localização à beira do rio Danúbio.

O Felix Kitchen & Bar foi um dos lugares onde Jacqlyn Schneider jantou na Hungria, aproveitando um menu de degustação por menos de US$ 200. [Foto: Jacqlyn Schneider]
“Acho que a refeição custou metade do que uma experiência semelhante custaria aqui”, disse a moradora de Washington, D.C.

Um dólar vale quase 360 forints húngaros, abaixo de seu pico de 2022, mas ainda assim mais de 20% acima de 2019. E o setor de turismo ainda está se recuperando da pandemia, o que significa que os preços permaneceram contidos. Cerca de 12 milhões a menos de viajantes visitaram em 2023 do que em 2019, de acordo com o Escritório Central de Estatísticas Húngaro.

Budapeste é conhecida por suas casas de banho, mas Schneider disse que os preços não refletiam sua popularidade. Ela pagou US$ 35 por um dia de hidromassagem, saunas e massagens.

As populares casas de banho de Budapeste oferecem experiências de spa o dia inteiro a preços baixos. [Foto: ZUMA PRESS]
“Nos EUA, você precisa comprar, tipo, a massagem de US$ 200 para poder usar o hidromassagem”, pontuou ela.

Uma moeda local fraca em relação ao dólar permite que a mescla de aventuras conscientes do orçamento com um ou dois excessos, disse ela. Desde sua viagem a Budapeste em março de 2023, ela agora inclui as taxas de câmbio em seus roteiros de férias, incluindo em uma viagem mais recente ao Japão.

“Para mim, a taxa de câmbio não é o fator determinante de se decido visitar um lugar, mas definitivamente desempenha um papel em como eu planejo minha visita”, afirmou ela.

Um tour em dólares pela Argentina hiperinflacionária

Blot estava a caminho da Antártida quando passou por Buenos Aires e Ushuaia, a cidade mais ao sul da América do Sul. Além de jantares de bife baratos, ela fez um tour de tango na capital e explorou o Parque Nacional da Terra do Fogo no sul.

Enquanto os preços de comida e compras eram baixos, o tour e seus hotéis ficaram mais próximos dos preços dos EUA, pois ela os reservou por meio de uma agência de viagens americana ainda em casa. Hotéis de marcas conhecidas como o Four Seasons eram os mais caros, mas Blot encontrou um negócio melhor em um hotel boutique menor.

A Argentina está entre os principais países onde o dólar se fortaleceu mais nos últimos cinco anos. O valor do dólar subiu aproximadamente 330% apenas no último ano e vale mais de 889 pesos argentinos. Em maio de 2019, o dólar valia cerca de 44 pesos.

A inflação de três dígitos erodiu o valor do peso, mas para os americanos isso significa que o dólar está em alta demanda. As noites reservadas por americanos aumentaram quase 40% nos três primeiros meses de 2024 em comparação com o mesmo período do ano passado, disse o porta-voz do Airbnb, Samuel Randall.

Pagar em dólares em espécie na Argentina é muitas vezes a melhor maneira de economizar, pois muitos fornecedores não aceitam cartões de crédito e o peso está enfraquecendo rapidamente.

Quando Blot pegou um Uber no aeroporto, o motorista pediu que ela cancelasse a viagem. Ela pagou com uma nota de US$ 20 em vez de usar pesos pelo aplicativo e gastar o equivalente a cerca de US$ 35.

Blot economizou em jantares de bife em Buenos Aires, onde a volatilidade econômica desvalorizou o peso. [Foto: ZUMA PRESS]
“Ele queria dólares reais em mãos”, contou Blot. “Porque a inflação é tão alta, eles não querem sua própria moeda. Eles querem dólares.”

Seu cruzeiro com todas as comodidades para a Antártida foi o único lugar onde ninguém estava clamando pelo dólar.

“Não há cidades ou portos”, apontou Blot. “Não há dinheiro para gastar na Antártida.”

 

(Com The Wall Street Journal; título original: Oh, The Places You’ll Go—With a Strong Dollar in Tow; tradução feita com auxílio de IA)

Compartilhe em suas redes!

WhatsApp
Facebook
LinkedIn
PUBLICIDADE

Matérias Relacionadas

PUBLICIDADE

Assine o TradeNews Express!

PUBLICIDADE

A Newsletter mais completa do mercado está de cara nova!

Preencha o formulário e cadastre-se para receber todos os dias.

Saiba os meses que as empresas devem pagar proventos em 2024 e monte sua carteira vencedora

Are you sure want to unlock this post?
Unlock left : 0
Are you sure want to cancel subscription?