O jogo do gás de Putin: brincar com o suprimento da Europa e fazer os líderes se contorcerem

putin gás europa nord stream

Enquanto trava uma guerra clássica na Ucrânia, Vladimir Putin abriu uma segunda frente que está chegando ao auge na Europa: uma batalha pelo gás natural.

O gás começou a fluir hoje (21) pelo oleoduto principal para a Europa em um volume reduzido. Os países europeus esperavam ansiosamente para ver se o líder da Rússia voltaria a abrir as torneiras após um período de 10 dias, quando o gasoduto foi fechado para manutenção de rotina. Após o ocorrido, um fornecimento de Moscou durante o inverno se torna cada vez menos confiável.

A Rússia vem fornecendo gás natural para a Europa bem abaixo da capacidade total há meses, e os líderes europeus denunciaram os recentes cortes como um esforço de Putin para usar a gigante estatal de energia Gazprom para manter os clientes em dúvida. “A Gazprom provou ser um fornecedor completamente não confiável”, disse ontem (20) a presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen. “E por trás da Gazprom está, como sabemos, Putin. Portanto, não é previsível o que vai acontecer”.

Analistas e traders dizem que não esperam que Putin interrompa totalmente os fluxos de gás, uma opção extrema que mergulharia a Europa em profunda recessão e deixaria milhões de pessoas sem aquecimento – em parte porque, uma vez que ele disparasse a bala, não sobraria mais nada. Em vez disso, eles acham que ele deixará o gás “gotejar”, uma estratégia que manteria os preços elevados, aumentaria a receita para financiar a guerra e permitiria ao Kremlin manter sua influência.

“Ele pode jogar com a Europa: fechando tudo, abrindo alguns, ainda obtendo receitas significativas por causa do preço”, disse Richard Morningstar, presidente fundador do Centro de Energia Global do Conselho Atlântico e ex-embaixador dos EUA na União Europeia (UE). “Ele é um ex-KGB. Ele é estratégico. Ele está jogando jogos mentais e espera poder deixar a Europa de joelhos enquanto ainda ganha algum dinheiro”.

O objetivo de Putin, dizem especialistas em energia, é dividir a coalizão ocidental que se uniu contra ele desde sua invasão da Ucrânia em 24 de fevereiro, acumulando sanções à economia russa e fornecendo à Ucrânia com apoio financeiro e armas extremamente necessárias. O cálculo seria que apagões contínuos e racionamento prejudicariam o apoio público europeu à Ucrânia e colocariam os aliados da OTAN uns contra os outros à medida que cada nação tentasse reservar gás.

Como instrumento de guerra, o gás natural dá à Rússia um poder especial. A principal fonte de receita russa é o petróleo, não o gás, o que significa que ela poderia viver sem as receitas do gasoduto por enquanto. A União Europeia, por outro lado, contava com o país para cerca de 40% de suas importações de gás natural no ano passado.

No entanto, usar o gás como arma estratégica traz grandes riscos para o líder russo – e ele tem uma janela estreita para que isso funcione. Se ele desligar o gás completamente, Moscou destruirá uma reputação construída ao longo de cinco décadas como um fornecedor confiável de energia para a Europa. E mesmo que não o faça, ele ainda pode perder se uma Europa assustada seguir em frente com os planos de se converter em fontes alternativas de energia. De qualquer forma, a Rússia parece se tornar fortemente dependente da China como seu principal cliente de gás, dando a Pequim o braço mais forte em seu relacionamento com Moscou.

“Putin, por razões geopolíticas, está claramente preparado para jogar meio século de investimento pela janela”, disse Thane Gustafson, professor da Universidade de Georgetown e autor de “The Bridge”, uma história sobre a relação russo-europeia no setor do gás natural.

A Alemanha e outras economias europeias embarcaram em um curso intensivo para diversificar suas fontes de energia e se afastar do fornecimento russo. A participação da Rússia nas importações de gás da UE caiu pela metade, sendo de 20% até agora, e o bloco pretende eliminar totalmente Moscou de sua matriz energética nos próximos cinco anos.

Há muito tempo, os EUA alertam a Europa que depender do gás russo para uma grande e crescente parcela de energia deu a Moscou uma vantagem política e econômica. A Europa, comprometida em ligar a Rússia ao Ocidente por meio do comércio, não deu ouvidos. A Alemanha começou em 2011 a importar bilhões de metros cúbicos através de um novo gasoduto submarino conhecido como Nord Stream, que se tornou o principal canal de gás russo para a Europa e, em 2020, representou um décimo de todas as suas necessidades energéticas do gás russo, segundo a S&P Global Insights de commodities.

Em junho, Moscou cortou o fluxo de gás proveniente do gasoduto de 760 milhas em mais da metade, culpando atrasos nos reparos de turbinas causados ​​por sanções. Autoridades europeias e executivos de energia descartaram a desculpa. “A Rússia está usando a energia como arma de guerra”, disse o presidente francês Emmanuel Macron este mês.

Os engenheiros realizaram a manutenção planejada, reduzindo as exportações através do Nord Stream a zero. O fornecimento só foi reestabelecido, parcialmente, hoje (21). Em um sinal ameaçador, a concessionária alemã Uniper, uma das maiores compradoras de gás russo canalizado da Europa, disse na segunda-feira (18) que recebeu uma carta da Gazprom alegando motivos de força maior – uma manobra legal projetada para isentar o fornecedor da responsabilidade por falhas nas entregas de gás.

A Rússia também está colocando as garras em outros gasodutos para a Europa, incluindo um que atravessa a Ucrânia. Moscou parou de enviar gás para a Alemanha por uma terceira rota depois de impor sanções ao proprietário da seção polonesa do gasoduto Yamal-Europa.

Não importa o que Putin faça, a Europa enfrenta o grande desafio de economizar o suficiente para passar o inverno. A Agência Internacional de Energia, uma organização intergovernamental, disse esta semana que o continente precisa tomar medidas urgentes para conter a demanda neste verão e outono para preencher as cavernas de armazenamento – uma tarefa dificultada por uma onda de calor, que provavelmente aumentará o uso de energia.

A oferta reduzida já está afetando a economia da Europa, empurrando os preços para máximas históricas, elevando a inflação a uma taxa recorde na Zona do Euro e causando arrepios nos frágeis mercados financeiros da região.

Independentemente de como o inverno se desenrolar, o vício da Europa no gás russo está chegando a um fim doloroso. A União Europeia embarcou em uma complexa e cara religação de sua economia com um plano de € 210 bilhões, equivalente a US$ 214 bilhões, para se livrar dos combustíveis fósseis russos até 2027.

Putin acredita que as democracias ocidentais perderão a vontade de manter sanções a Moscou e entregas de armas pesadas para a Ucrânia devido ao seu temor energético, disse Frank Umbach, pesquisador da Universidade de Bonn que assessora governos e a OTAN em mercados de energia.

Os lados estão sendo escolhidos. O governo da Hungria ordenou uma proibição de exportação de combustíveis, incluindo gás natural. Kiev lamentou a decisão do Canadá de isentar de sanções a turbina a gás que a Gazprom disse que a Nord Stream precisava, permitindo que ela voltasse para a Alemanha.

A Europa está procurando alternativas. Está recolhendo quase um terço do gás natural liquefeito (GNL) exportado do mundo, de acordo com o Morgan Stanley, enquanto fecha acordos de longo prazo com produtores de gás, como o Azerbaijão.

O fracasso em investir em infraestrutura significativa de GNL além da Espanha, França e Reino Unido nas últimas décadas está paralisando o continente. As importações da Ásia Central e do Mar Cáspio são limitadas pelo tamanho insignificante dos gasodutos do Corredor de Gás do Sul para a Grécia e a Itália, repetidamente reduzidos devido a preocupações com custos.

Enquanto pequenos volumes de gás continuarem sendo bombeados para a Europa a preços altos, a Gazprom terá receita. Vitaly Yermakov, pesquisador sênior do Oxford Institute for Energy Studies, disse que, em uma estimativa conservadora, a receita da empresa com as exportações de gás natural por gasoduto – incluindo aquelas fora da Europa – dobrará este ano para US$ 100 bilhões.

A longo prazo, Moscou pode perder com o corte do maior mercado da Gazprom, cujos lucros subsidiam o fornecimento de gás para os russos a preços regulados. Ao contrário do petróleo, que pode ser carregado em barcos e enviado para novos mercados, o gás é amplamente limitado pela infraestrutura de gasodutos. Com as exportações para a Europa em declínio, a Rússia encherá as lojas domésticas mais cedo do que o normal este ano e ou gás de queima ou estrangulará a produção em seus campos legados na Sibéria Ocidental, dizem analistas.

“A maior parte da infraestrutura de dutos está voltada para o oeste”, disse Michael Moynihan, diretor de pesquisa da Wood Mackenzie, uma empresa de consultoria. “Você não teria onde vendê-lo. Você não pode vendê-lo para a China se não tiver infraestrutura. Você não pode vendê-lo no mercado interno porque não tem demanda”.

O historiador de energia Daniel Yergin, vice-presidente da S&P Global, estima que levará quatro ou cinco anos para construir a infraestrutura de gasodutos necessária para a China para substituir seu mercado europeu perdido. “Acho que daqui a dois ou três anos, a Rússia será um grande produtor de petróleo e gás, mas não será a superpotência energética. Vai ser muito mais dependente da China”, disse ele.

 

(Com Dow Jones Newswires)

Compartilhe em suas redes!

WhatsApp
Facebook
Twitter
LinkedIn
PUBLICIDADE

Related Posts

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE