O que nossos cérebros sabem sobre ações, mas não vão dizer

wsj neuro economia finanças

Seguir os instintos ao investir é frequentemente uma ideia terrível. Mas novas pesquisas ajudam a explicar por que às vezes pode ser benéfico.

Pensar que sabemos mais do que realmente sabemos — a autoconfiança — pode ser o nosso maior obstáculo como investidores. Saber mais do que percebemos, mas não conseguir usar o que sabemos, é outro obstáculo. É um mistério que finalmente está recebendo alguma atenção.

Para ser investidor, em vez de um especulador, deve-se fazer uma pesquisa profunda e deliberada antes de comprar um ativo. Como o falecido investidor Charlie Munger gostava de dizer, você deve ser “racional”.

Isso não significa que você deva ser tão insensível quanto o Spock em “Star Trek”. Uma das regras mais famosas de Warren Buffett – “tentar ter medo quando os outros são gananciosos e ser ganancioso apenas quando os outros estão com medo” — está enraizada na própria capacidade de responder à emoção.

Spock não teria medo da ganância dos outros ou seria ganancioso diante de seu medo; ele simplesmente acharia o comportamento deles inexplicável.

Buffett não é desapaixonado; ele é inversamente emocional. Ele pega os sentimentos das outras pessoas, os vira de dentro para fora e torna as emoções resultantes suas.

Na verdade, não se pode ser racional a menos que também seja emocional.

Pessoas com danos na amígdala, uma região do cérebro envolvida no processamento do medo, seguem “um curso de ação desvantajoso” ao escolher entre apostas mais seguras e arriscadas, segundo um estudo de 1999. A incapacidade de sentir medo faz com que busquem ganhos sem levar em conta as consequências das perdas.

Outra região do cérebro que foi estudada dessa maneira é o córtex insular anterior, que transmite a consciência de estados corporais como a frequência cardíaca, e processa reações como ansiedade e repulsa. Em um experimento no qual as pessoas tiveram que decidir se mantinham a compra de uma ação que subiu pelo menos 10 vezes o seu valor fundamental antes de cair, aqueles cujo córtex insular se ativou de forma mais intensa venderam mais cedo e ganharam mais dinheiro.

Uma pesquisa publicada em 2016 descobriu que traders profissionais mais hábeis em estimar o próprio pulso tendem a gerar lucros diários médios mais altos ao longo do tempo e têm carreiras mais longas.

Presumivelmente, isso se deve ao fato de estarem mais sintonizados com seus instintos; a excitação pode indicar a realização de uma negociação lucrativa, enquanto o medo pode sinalizar que devem cortar uma perda antes que se aprofunde.

Nos últimos anos, os pesquisadores têm investigado o “neuroforecasting“. Essa é a aparente capacidade da atividade cerebral prever resultados, mesmo quando as pessoas não têm consciência disso.

Neurocientistas pediram aos participantes que previssem quais pedidos de microcrédito iriam arrecadar mais dinheiro online, quais empreendimentos receberiam mais financiamento coletivo, quão populares serão os vídeos ou músicas, ou se uma ação subiria ou cairia.

De forma consistente, as escolhas conscientes das pessoas ao enfrentar esses tipos de perguntas não são significativamente melhores do que o acaso. Mas a intensidade da ativação do núcleo accumbens, uma área do cérebro que processa subconscientemente a antecipação de recompensa, acaba por ser um bom preditor do que as pessoas decidirão coletivamente que gostam.

É verdade: um lampejo de atividade eletroquímica no seu cérebro — tão fraco que você pode não sentir — prevê como as pessoas reagirão a algo potencialmente recompensador.

Em um estudo publicado no mês passado, 36 investidores profissionais holandeses tentaram escolher ações vencedoras e perdedoras enquanto seus cérebros eram escaneados em uma máquina de ressonância magnética funcional.

Dentre as ações que avaliaram: AT&T, Carrefour, Ralph Lauren, Sanofi e Teva Pharmaceutical.

Para cada ação, os investidores viram um perfil básico, incluindo setor da indústria e capitalização de mercado; um gráfico de preços; dados sobre vendas e lucratividade; avaliação em relação aos pares; e um resumo das notícias recentes. Os investidores não foram informados sobre os nomes das ações e disseram não reconhecê-las.

O conjunto de informações que os investidores viram remonta a vários períodos entre 1999 e 2011. Eles foram questionados se achavam que cada ação superaria ou não o seu setor nos 12 meses após cada período de medição. As previsões conscientes deles não foram melhores do que a sorte. No entanto, os pesquisadores também mediram a ativação no núcleo accumbens dos selecionadores de ações. E isso permitiu aos pesquisadores prever quais ações superariam, com cerca de 68% de precisão. Quanto mais intensa a ativação, mais provável era que o desempenho dessa ação superasse as expectativas.

É como se esses investidores profissionais tivessem conhecimento útil sem saber. Enquanto isso, o que eles acreditam saber — sua previsão consciente — é praticamente inútil.

Estes resultados são “absolutamente fascinantes e contraintuitivos,” diz Brian Knutson, professor de psicologia e neurociência na Universidade de Stanford. (Ele foi um dos revisores do estudo, mas não estava envolvido de outra forma.)

Muitos fatores podem influenciar as decisões de investimento, incluindo nossa experiência passada, nosso estado de espírito atual e o quão arriscado queremos ou precisamos ser. É por isso que as pessoas acabam fazendo escolhas amplamente divergentes, mesmo que seus cérebros mostrem respostas iniciais semelhantes ao mesmo estímulo.

“O sinal cerebral é mais uniforme em toda uma amostra do que as previsões são,” diz Leo van Brussel, um neurocientista da Universidade Erasmus em Roterdã que co-produziu o novo estudo. “Portanto, o sinal cerebral é um preditor melhor em toda a população.”

Ninguém vai correr para um scanner cerebral toda vez que estiver prestes a fazer um investimento, então como é possível aplicar essa pesquisa? Se você conseguir detetar, canalizar e moldar suas emoções, elas podem reforçar, em vez de prejudicar, sua capacidade de ser racional.

Os sentimentos são bons indicadores contraditórios: quando se está com medo, deveria-se, em vez disso, ser ganancioso, e quando se está ganancioso, deveria-se ter medo.

Brian Posner, um investidor que teve uma carreira distinta na Fidelity, Warburg Pincus e ClearBridge Investments, diz que os seus maiores ganhos foram com empresas em recuperação — empresas à beira do fracasso.

“Nessas situações, quase por definição, está-se majoritariamente ou totalmente sozinho ao reconhecer o potencial,” diz ele. “Tais investimentos são perturbadores.” Nestes casos, ele sugere que um bom sinal de que se está no caminho certo é “ter vontade de vomitar.”

Virar do avesso as emoções das outras pessoas funcionou para Warren Buffett. Virar as as próprias emoções do avesso pode funcionar para você.

 

(Com The Wall Street Journal; Título original: What Our Brains Know About Stocks—but Won’t Tell Us; tradução feita com auxílio de IA)

Compartilhe em suas redes!

WhatsApp
Facebook
LinkedIn
PUBLICIDADE

Matérias Relacionadas

PUBLICIDADE

Assine o TradeNews Express!

PUBLICIDADE

A Newsletter mais completa do mercado está de cara nova!

Preencha o formulário e cadastre-se para receber todos os dias.

Saiba os meses que as empresas devem pagar proventos em 2024 e monte sua carteira vencedora

Are you sure want to unlock this post?
Unlock left : 0
Are you sure want to cancel subscription?