O TikTok não vai sumir dos EUA — pelo menos, ainda não; veja aqui o que você precisa saber

tiktok banimento

O proprietário chinês terá até um ano para vender o aplicativo. Se não o fizer, então o TikTok será banido nos Estados Unidos.

Outra possível proibição do TikTok nos EUA está em andamento. Só que agora parece muito mais sério para a rede social de vídeo controlada pela China e seus 170 milhões de usuários nos EUA.

O presidente Biden assinou nesta quarta-feira (24) um projeto de lei que forçará a venda ou proibição do TikTok.

Isso significa o fim definitivo do TikTok? Não, ou pelo menos não ainda.

A ByteDance, empresa controladora chinesa do aplicativo, terá até um ano para vender o aplicativo. Se não conseguir, ou não quiser, então o TikTok será proibido nos EUA.

“Esta lei inconstitucional é uma proibição do TikTok, e vamos desafiá-la nos tribunais”, disse hoje o TikTok, acrescentando que acredita que “prevalecerá” e que a lei está do seu lado.

Os legisladores dos EUA, que aprovaram o projeto na Câmara no sábado (20) e no Senado na terça-feira (23) à noite, dizem que estão preocupados com o impacto que o TikTok poderia ter na segurança nacional. Isso inclui o potencial de a China coletar informações sobre os usuários dos EUA ou espalhar mensagens favoráveis de Pequim para os usuários sobre tópicos sensíveis, como a guerra entre Israel e o Hamas.

O TikTok afirmou repetidamente que nunca compartilhou dados de usuários dos EUA com o governo chinês e que se recusaria a qualquer pedido desse tipo. A empresa reiterou na quarta-feira que investiu bilhões de dólares para manter os dados dos EUA seguros e sua plataforma “livre de influência e manipulação externas”.

O TikTok é um dos aplicativos de mídia social mais populares nos EUA, mas o Congresso local o vê como uma ameaça à segurança nacional. [Foto: Tom Williams/CQ-Roll Call/Getty Images]
O TikTok não vai a lugar algum e as pessoas ainda podem usá-lo normalmente, disse o CEO Shou Zi Chew na quarta-feira em um TikTok.

Enquanto isso, alguns tiktokers têm postado vídeos sobre soluções tecnológicas alternativas e levantando a pergunta de cem bilhões de dólares: “Para onde todos vão quando a festa do TikTok acabar?”

Os usuários americanos do TikTok não precisam de fazer as malas agora e fugir da aplicativo. Mas não é uma má ideia ter uma mochila pronta. Mesmo que a aplicação eventualmente desapareça, os vídeos curtos e verticais que popularizou não vão desaparecer. Apenas serão vistos como Reels no Instagram ou Shorts no YouTube.

Confira agora as respostas para as principais questões sobre o que pode — ou não — acontecer com o aplicativo.

O que realmente diz o projeto de lei?

A ByteDance tem nove meses para encontrar um comprador para o TikTok dos EUA, embora o presidente americano possa conceder uma prorrogação de três meses.

Caso a ByteDance não encontre um comprador, será “ilegal para uma entidade distribuir, manter ou atualizar” a aplicação em território americano, de acordo com o texto do projeto de lei. Tradução: Não seria possível baixar ou atualizar o TikTok nas lojas de aplicativos, incluindo a App Store da Apple para iPhones e a Google Play Store para telefones Android.

Uma proibição de um aplicativo estrangeiro popular nos EUA é um território novo, mas a Apple e o Google estão familiarizados com o processo em outros países. Na semana passada, a China ordenou à Apple que removesse o Signal, o Telegram e o WhatsApp da Meta Platforms da App Store no país.

Então, os influencers americanos ainda poderão ter o TikTok no telefone?

Sim, se a proibição entrar em vigor — novamente, provavelmente não antes de 2025 — seria possível manter o TikTok no telefone. Sem atualizações regulares, o aplicativo deixaria de se atualizar, deixando o usuário e seus dados vulneráveis a bugs, vazamentos e outros problemas de segurança. O aplicativo deixaria de funcionar em algum momento.

Também é provável que o TikTok cumprisse a proibição e desativasse o acesso ao serviço nos EUA, diz Alp Toker, diretor da NetBlocks, uma empresa que monitora a conectividade e a censura na internet.

Se o TikTok não cumprir a legislação, poderia caber aos fornecedores individuais de serviços de internet — operadoras de celular e empresas de banda larga doméstica — decidir se filtrariam e restringiriam os domínios do TikTok. Pedir às operadoras de serviços de internet para intervir poderia ser a parte mais desafiadora da proibição, diz Toker, e desencadear um debate sobre a liberdade de expressão. (O TikTok também fez esse argumento ao defender a sua posição.)

“Não parece bom quando os EUA se apresentam como oponente à filtragem da internet globalmente”, acrescenta.

Uma proibição nacional seria mais fácil de aplicar do que as proibições fragmentadas em lugares como Montana e com funcionários do governo. Funcionários federais e estaduais contornaram a proibição usando o TikTok em telefones não relacionados ao trabalho. E a proibição do TikTok em Montana não entrou em vigor; um juiz federal decidiu em novembro que “provavelmente viola a Primeira Emenda”.

Seria necessário o uso de VPN? O que é uma VPN, afinal?

VPNs, também conhecidas como redes virtuais privadas. Quem já passou algum tempo lendo sobre como contornar uma proibição do TikTok nos EUA — ou do Telegram no Brasil —, provavelmente já se deparou com o termo. Esta ferramenta de software tem como objetivo tornar mais privadas a navegação na web e outras atividades e obscurecer a localização do usuário.

Depois de baixar uma VPN no telefone ou PC, ela cria um canal privado pela web aberta e criptografa os dados em uma sequência incoerente de código. Os dados são encaminhados pelos servidores do fornecedor da VPN, fazendo parecer que o usuário está baseado, por exemplo, no Canadá quando na realidade está no Brooklyn. E esconde a atividade do fornecedor de serviços de internet e de outros.

Pelo menos é assim que se supõe que funcione. Alguns fornecedores de VPN podem partilhar os dados do usuário com outras empresas. E pode tornar-se um grande problema para o governo dos EUA à medida que os dados dos americanos são encaminhados através de servidores localizados noutros países, diz Toker.

As VPNs provavelmente não resolveriam o problema da degradação da aplicação ao longo do tempo. E a utilização de uma VPN pode nem funcionar se o TikTok for obrigado a desativar contas registadas nos EUA, mesmo quando acessadas a partir de outros países, diz Toker.

Como ficam os outros aplicativos se o TikTok sumir dos EUA?

Mesmo que o TikTok desaparecesse amanhã, os vídeos de curta duração não vão a lado nenhum. O YouTube reportou em setembro que o YouTube Shorts, a secção de vídeos verticais da aplicação, tem mais de 70 mil milhões de visualizações diárias. As pessoas partilham os Reels — concorrente do TikTok da Meta — 3,5 mil milhões de vezes por dia, disse o CEO Mark Zuckerberg em fevereiro.

O TikTok sem dúvida continua popular, mas o crescimento do aplicativo começou a estagnar. Nos EUA, tantas pessoas abandonaram a plataforma que o número total de usuários nos EUA estagnou, reportou o The Wall Street Journal no mês passado. No passado, o TikTok consistentemente adicionava mais usuários do que perdia.

 

(Com The Wall Street Journal; título original: They Launched Careers on TikTok. Now Their Livelihoods Hang in the Balance; tradução feita com auxílio de IA)

Compartilhe em suas redes!

WhatsApp
Facebook
LinkedIn
PUBLICIDADE

Matérias Relacionadas

PUBLICIDADE

Assine o TradeNews Express!

PUBLICIDADE

A Newsletter mais completa do mercado está de cara nova!

Preencha o formulário e cadastre-se para receber todos os dias.

Saiba os meses que as empresas devem pagar proventos em 2024 e monte sua carteira vencedora

Are you sure want to unlock this post?
Unlock left : 0
Are you sure want to cancel subscription?