Shein pede para abrir capital e pode ser o maior IPO dos últimos anos

im-892369

A empresa fundada na China foi avaliada em US$ 66 bilhões no início deste ano

Shein, a empresa de moda online fundada na China que conquistou centenas de milhões de compradores em todo o mundo, pediu confidencialmente para abrir capital nos EUA, em um movimento que poderia ser um dos maiores IPOs dos últimos anos. 

Goldman Sachs, JP Morgan e Morgan Stanley foram contratados como coordenadores líderes da oferta, que poderia acontecer em 2024, disseram pessoas familiarizadas com o assunto. 

A Shein, agora sediada em Cingapura, foi avaliada em cerca de US$ 66 bilhões em uma rodada de captação de recursos em maio e provavelmente buscará uma avaliação ainda mais alta em um IPO. 

A companhia de fast-fashion perturbou a indústria de vestuário com suas saias de US$ 5 e jeans de US$ 9 nos últimos anos. Agora, empresa de 11 anos é uma das maiores marcas de moda do mundo. 

A mídia chinesa relatou anteriormente o pedido confidencial da Shein. 

Foram dois anos difíceis para o mercado de IPOs dos EUA, com poucas empresas listando ações, desencorajadas pelas taxas altas de juros e investimentos alternativos menos arriscados.

Conforme sua popularidade aumenta, a Shein tem sido alvo de críticas sobre sua cadeia de suprimentos. [Foto: Adrienne Grunwald para o Wall Street Journal]
A maioria das empresas que abriram capital apresentou desempenho ruim. O maior IPO deste ano foi o da empresa britânica projetora de chips Arm Holdings, avaliada em cerca de US$ 55 bilhões quando estreou em setembro. Antes disso, o IPO mais recente de destaque foi o da Rivian Automotive em 2021, que a avaliou em aproximadamente US$ 77 bilhões no preço do IPO. 

Banqueiros da área e outros consultores dizem que esperam que mais empresas estreiem no próximo ano, embora alertem que a recuperação pode ser lenta. 

A Shein registrou US$ 23 bilhões em receita e US$ 800 milhões em lucro líquido em 2022 e informou aos investidores que teve receita e lucro recorde nos primeiros três trimestres de 2023, segundo o Wall Street Journal. 

As regras da Comissão de Valores Imobiliários dos Estados Unidos (SEC) permitem que as empresas mantenham seus pedidos de listagem privados por um período de tempo antes de seus IPOs. Nas semanas que antes da oferta, a Shein divulgará esses documentos, que incluem detalhes sobre suas finanças.

A varejista vende para compradores online em mais de 150 países, mas não para a China. Os Estados Unidos são o maior mercado da Shein.

Após dominar o varejo de roupas online, a Shein tem expandido para outras áreas, incluindo se tornar um marketplace para vendedores terceirizados. Isso a coloca em concorrência com gigantes como Amazon e Temu, braço internacional da empresa chinesa de comércio eletrônico PDD Holdings.

Nos últimos meses, a Shein adquiriu uma participação na operadora da varejista Forever 21, o que permitirá que a companhia, exclusivamente online, venda em suas lojas físicas, e também comprou a marca britânica de moda feminina Missguided.

Uma listagem de ações nos Estados Unidos poderia tornar a Shein a maior oferta de ações de uma empresa originada na China desde o IPO da gigante de transporte por aplicativo Didi Global em 2021. A Didi, avaliada em US$ 68,4 bilhões no dia de sua estreia, saiu da Bolsa de Valores de Nova York 11 meses depois, após ser afetada pela repressão tecnológica de Pequim.

A Shein concluiu a mudança de sede da cidade chinesa de Nanjing para Cingapura em 2021. Embora a empresa não tenha citado um motivo específico para a mudança, ter a sede fora da China pode ser vantajoso à medida que as tensões geopolíticas aumentam.

A cadeia de suprimentos da Shein está fortemente presente na província de Guangdong, no sul da China, o principal polo de fabricação do país.

Para oferecer uma seleção enorme de roupas baratas e acompanhar as mudanças nos gostos dos consumidores, a Shein terceiriza milhares de fábricas e faz pedidos em pequenas quantidades para testar a demanda do mercado e repor os pedidos de acordo com a necessidade.

A cadeia de suprimentos da Shein está amplamente enraizada na província de Guangdong, no sul da China. [Foto: Gilles Sabrie para o Wall Street Journal]
Conforme sua popularidade aumenta, a Shein tem se tornado alvo de críticas cada vez maiores por Washington sobre sua cadeia de suprimentos. 

Legisladores americanos pressionaram a Shein para abordar se ela obtém algodão da região de Xinjiang, na China, onde os EUA acusam as autoridades chinesas de cometer genocídio e usar trabalho escravo em repressão aos uigures, em sua maioria muçulmanos. 

Pequim nega as alegações.

A Shein disse que tem uma “política de tolerância zero” para trabalho escravo e instalou um “sistema robusto” para cumprir a lei americana. A empresa compartilhou com o Wall Street Journal em agosto que não obtém algodão da China e não tem fabricantes em Xinjiang. 

Legisladores e procuradores-gerais dos EUA pediram uma investigação da cadeia de suprimentos da Shein como condição para uma listagem de ações na bolsa americana. A Shein está reformulando sua liderança para se estabelecer em seus maiores mercados, especialmente nos EUA. 

Mais recentemente, a empresa contratou Frances Townsend, ex-executiva da Activision Blizzard que trabalhou na administração do ex-presidente George W. Bush e no Departamento de Justiça, para um contrato de consultoria de seis meses como assessora sênior. 

A empresa também está diversificando sua cadeia de suprimentos. Fora da China, a Shein começou a fabricar na Turquia e no Brasil e formou uma parceria com um grande varejista indiano. 

Quando levantou US$ 2 bilhões de investidores em maio, a Shein cortou sua valuation após uma venda de ações em tecnologia devido a uma desaceleração no setor e foco na redução de custos. 

Um ano antes da última captação de recursos, a Shein havia sido avaliada em US$ 100 bilhões, catapultando seu valor para mais do que a capitalização de mercado combinada da H&M e da Inditex, controladora da Zara.

(Com The Wall Street Journal; Título original: Fast-Fashion Giant Shein Files to Go Public)

Compartilhe em suas redes!

WhatsApp
Facebook
LinkedIn
PUBLICIDADE

Matérias Relacionadas

PUBLICIDADE

Assine o TradeNews Express!

PUBLICIDADE

A Newsletter mais completa do mercado está de cara nova!

Preencha o formulário e cadastre-se para receber todos os dias.

Are you sure want to unlock this post?
Unlock left : 0
Are you sure want to cancel subscription?