Sindicato de funcionários do BC diz que cargos devem começar a ser entregues em janeiro como pressão por reajuste salarial

Sindicato de funcionários do BC diz que cargos devem começar a ser entregues em janeiro como pressão por reajuste salarial


O Sindicato Nacional dos Funcionários do Banco Central (Sinal) espera que os cargos de chefia do órgão devam começar a ser entregues no dia 3 de janeiro. Nessa data, o sindicato vai começar a rodar uma lista eletrônica para adesão ao movimento, no contexto da insatisfação de diversas categorias de servidores federais com o reajuste previsto apenas para policiais em 2022.

Além disso, o Sinal irá aderir às paralisações nacionais aprovadas pelo Fórum Nacional Permanente de Carreiras Típicas de Estado (Fonacate) nesta quarta-feira (29) – a primeira está prevista para dia 18 de janeiro.

Dentro do BC, o sentimento é de descontentamento com a decisão do governo de contemplar a recomposição salarial de apenas uma categoria. Na autarquia, o último reajuste foi em janeiro de 2019.

  • Leia tudo sobre o governo Bolsonaro

O presidente do Sinal, Fábio Faiad, afirmou que a expectativa de adesão é grande entre os 500 cargos gerenciais do BC. Segundo ele, houve pressão de parte dos funcionários para que a lista já estivesse circulando nesta semana.

Faiad esclareceu também que os servidores que não estão em função de gerência poderão aderir ao movimento ao se comprometer a não substituir os colegas que deixarem os cargos. “Isso para mostrar ao presidente do banco e ao governo que a casa vai ficar sem administrador em protesto ao reajuste apenas para aos policiais e não para o BC.”

Na Receita Federal, o Sindicato Nacional dos Auditores Fiscais da Receita (Sindifisco) estima que 738 auditores já entregaram cargos de chefia em protesto ao governo.

O presidente do Sinal disse ainda que pediu uma reunião com o presidente da autoridade monetária, Roberto Campos Neto, para tratar do assunto, mas acrescentou que ele entrou em férias e não quis atender o sindicato.

“Inclusive, nosso sindicato deu para Campos Neto o prêmio Decepção do ano 2021, justamente por não entrar em campo e não atender os interesses dos servidores. No início do ano, vamos tentar de novo conversar com ele.”

Segundo Faiad, a situação atual mostra falência do governo Bolsonaro para lidar com o funcionalismo. “O governo estimula que uma carreira destrua a outra, em vez de buscar convivência harmônica entre os órgãos do Estado. O certo seria dialogar com todos os servidores para buscar soluções para todos servidores, não só para aqueles que fazem parte da base de apoio eleitoral do governo.”

Questionado, o Banco Central ainda não respondeu aos questionamentos da reportagem.

Oportunidade de compra? Estrategista da XP revela 6 ações baratas para comprar hoje. Assista aqui!

Compartilhe em suas redes!

WhatsApp
Facebook
Twitter
LinkedIn
PUBLICIDADE

Matérias Relacionadas

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

Receba o TradeNews no seu e-mail

Are you sure want to unlock this post?
Unlock left : 0
Are you sure want to cancel subscription?