Stablecoins podem dominar o mercado mesmo após o colapso da TerraUSD, diz S&P

Por que as exchanges da América Latina estão apostando em


As stablecoins têm potencial para se tornar sistêmicas no mundo financeiro, apesar do recente colapso de alto perfil da TerraUSD (UST) da Luna Foundation, disseram analistas da agência de crédito S&P Global Ratings em um webinar nesta quinta-feira (23).

Funcionários de uma das três principais agências de classificação do mundo acreditam que a tecnologia, uma fonte de valor supostamente estável que oferece uma ponte para criptoativos mais voláteis, ainda pode transformar as finanças internacionais e o comércio global – mesmo que a recente turbulência do mercado tenha mostrado que algumas moedas são mais estáveis do que outras.

Para o economista-chefe global da S&P, Paul Gruenwald, a dramática desvalorização da UST – que deveria ter seu valor pareado ao dólar americano, mas agora essencialmente não vale nada – foi a prova de que os emissores de criptomoedas precisam passar pelos mesmos obstáculos que as finanças convencionais.

Regras iguais

Os financiadores tradicionais explorarão impiedosamente qualquer moeda que faça promessas falsas sobre sua capacidade de manter valor, e os mercados de criptomoedas não são diferentes, disse ele.

“O mesmo tipo de regra e a mesma centralidade de credibilidade se aplicam” no mercado de criptomoedas como nas finanças tradicionais, observou Gruenwald, dizendo que os criptoativos vinculados à moeda fiduciária dos Estados Unidos “precisarão de ativos líquidos em dólares americanos de alta qualidade em algum tipo de carteira de apoio para garantir que esse regime seja credível.”

Isso serve para praticamente todos os modelos algorítmicos semelhantes ao ecossistema Terra – nos quais os ativos são supostamente suportados por um algoritmo projetado para garantir que a oferta acompanhe a demanda –, disse Mohamed Damak, diretor sênior da S&P para o Oriente Médio e instituições financeiras africanas.

“Acho que as pessoas perceberam até certo ponto que esse tipo de stablecoin não pode realmente ser chamado de estável”, falou ele. Mesmo para aquelas moedas que buscam garantir valor por meio de ativos reais, “elas não são todas iguais porque o ponto de interrogação está na qualidade dos ativos que as sustentam, se são auditados com frequência ou não e por quem”.

As stablecoins ainda têm futuro, no entanto, principalmente porque os pagamentos internacionais via sistema bancário convencional são muito lentos e caros, falou Harry Hu, diretor sênior responsável pelas classificações da S&P das instituições financeiras chinesas.

“As stablecoins têm o potencial de se tornar sistêmicas, principalmente porque as finanças tradicionais não acompanharam a inovação”, disse Hu.

Damak também considera que os países que emitem suas próprias moedas digitais do banco central (CBDCs) podem mudar a forma como negociam.

“Por exemplo: um país ajuda outro país a desenvolver sua infraestrutura financeira desde que o segundo país use a CBDC do primeiro país para realizar transações internacionais”, disse Damak. “Isso definitivamente pode mudar algumas das maneiras pelas quais o comércio internacional é conduzido hoje.”

O que mais é necessário

Essas observações implicam que uma futura geração de moedas digitais se tornará vital para o sistema financeiro – um sucesso que provavelmente teria um custo, já que os reguladores procuram eliminar quaisquer riscos que possam causar um crash semelhante ao de 2008.

“A credibilidade desta indústria de stablecoin daqui para frente terá que envolver algum tipo de auditoria externa, confiável e regular do lado dos ativos do balanço patrimonial”, disse Gruenwald. Dessa forma, completou ele, os investidores podem saber que qualquer moeda atrelada tem um portfólio de ativos de suporte.

Embora algumas emissoras de stablecoins já realizem essas auditorias voluntariamente, Grunewald também apontou para um projeto de lei recente do senador Pat Toomey que as obrigaria a fazer isso.

A regulamentação também pode procurar proteger os consumidores, uma vez que, se houver um acidente, as baleias (investidores que detêm altas quantias de criptomoedas) com grandes participações podem acabar conseguindo um negócio melhor, deixando os investidores menores arcar com o custo.

“Nem todo detentor de stablecoin está na lista de permissões para conversão fiduciária… isso cria um campo de jogo desigual e abre o sistema para manipulação potencial”, disse Hu.

Sob o sistema atual, aqueles com acesso interno ainda podem negociar pelo preço anunciado, mesmo que o preço caia para o resto do mercado – criando uma oportunidade de arbitragem que os reguladores podem precisar interromper, completou Hu.

Compartilhe em suas redes!

WhatsApp
Facebook
Twitter
LinkedIn
PUBLICIDADE

Matérias Relacionadas

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

Receba o TradeNews no seu e-mail

Are you sure want to unlock this post?
Unlock left : 0
Are you sure want to cancel subscription?