Ucrânia e Rússia devem assinar acordo para reabrir portos de exportação de grãos

acordo russia e ucrania

A Rússia e a Ucrânia assinarão um acordo hoje (22) para reabrir os portos ucranianos do Mar Negro para exportações de grãos, segundo informações da Turquia e da Organização das Nações Unidas, aumentando as esperanças de que uma crise alimentar internacional agravada pela invasão russa possa ser aliviada. Ambos os países em guerra estão entre os maiores exportadores de alimentos do mundo.

O governo russo e o ucraniano enviaram seus ministros da Defesa e da Infraestrutura, respectivamente, a Istambul para participar de uma cerimônia de assinatura às 10h30, disseram os dois lados.

O secretário-geral da ONU, Antonio Guterres, deve assinar o acordo, e o presidente turco, Tayyip Erdogan, devem comparecer.

Mas os combates continuaram inabaláveis ​​no leste ucraniano e, sublinhando a profunda inimizade e desconfiança, o assessor presidencial de Kiev, Mykhailo Podoloyak, disse que não assinaria documentos com a Rússia, apenas acordos paralelos sobre exportações de grãos com as Nações Unidas.

“Em caso de provocações, (haverá) uma resposta militar imediata” da Ucrânia, twittou Mykhailo.

O bloqueio da frota russa no Mar Negro agravou as interrupções na cadeia de suprimentos global e, juntamente com as sanções ocidentais impostas a Moscou, alimentou a alta inflação nos preços de alimentos e energia desde que as forças russas invadiram a Ucrânia em 24 de fevereiro.

Os detalhes completos do acordo não foram divulgados imediatamente. Mas a agência de notícias estatal russa TASS, citando uma fonte não identificada, disse que três portos ucranianos, incluindo o maior centro de exportação Odesa, seriam reabertos.

Diplomatas disseram na semana passada que os detalhes do plano incluíam navios ucranianos guiando navios de grãos pelas águas portuárias minadas, com a Turquia supervisionando as inspeções de navios para aliviar as preocupações russas de que possam contrabandear armas para a Ucrânia.

Cerca de 20 milhões de toneladas de grãos estão presos em silos em Odesa e dezenas de navios ficaram retidos pela ofensiva de Moscou.

O ministro das Relações Exteriores da Turquia, Mevlut Cavusoglu, twittou na quinta-feira (21) que a reunião de hoje (22) em Istambul marcaria “o primeiro passo para resolver a atual crise alimentar”.

Os Estados Unidos saudaram o acordo e disseram que estavam se concentrando em responsabilizar a Rússia por implementá-lo.

OFERTA DE ‘PACOTE’

Moscou negou a responsabilidade pelo agravamento da crise alimentar, culpando, em vez disso, um efeito assustador das sanções ocidentais por desacelerar suas próprias exportações de alimentos e fertilizantes e a Ucrânia por minerar as proximidades de seus portos do Mar Negro.

As Nações Unidas e a Turquia estão trabalhando há dois meses para intermediar o que Guterres chamou de um “pacote” de acordo – para restaurar as exportações de grãos da Ucrânia no Mar Negro, enquanto facilita os embarques russos de grãos e fertilizantes.

A porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da Rússia, Maria Zakharova, disse que a União Europeia (UE) propôs relaxar algumas sanções anteriores para reforçar a segurança alimentar global. Moscou esperava que isso criasse condições para exportações sem restrições de grãos e fertilizantes.

A Turquia, um membro da OTAN que tem boas relações com a Rússia e a Ucrânia, controla os estreitos que levam ao Mar Negro e atuou como mediador na questão dos grãos.

OLHOS DA UCRÂNIA MUDANDO A MARÉ

O presidente ucraniano, Volodomyr Zelenskiy, se reuniu com comandantes seniores na ontem (21) para discutir o fornecimento de armas e a intensificação dos ataques aos russos.

“(Nós) concordamos que nossas forças têm forte potencial para avançar no campo de batalha e infligir novas perdas significativas aos ocupantes”, disse ele em seu discurso em vídeo.

Não houve grandes avanços nas linhas de frente desde que as forças russas tomaram as duas últimas cidades controladas pela Ucrânia na província oriental de Luhansk no final de junho e início de julho.

As forças russas estão agora focadas em capturar toda a província vizinha de Donetsk em nome de representantes separatistas que declararam dois mini-estados separatistas cobrindo a região industrializada de Donbass.

Em sua atualização matinal, o estado-maior da Ucrânia disse que as forças russas apoiadas por artilharia pesada continuam tentando avançar em direção às cidades de Kramatorsk e Bakhmut e à usina termelétrica de Vuhlehirska em Donetsk, mas não fizeram nenhum progresso notável.

Kiev espera que o aumento gradual dos suprimentos de armamento de precisão e longo alcance vindos do ocidente, como o Sistema de Foguetes de Artilharia de Alta Mobilidade dos EUA (HIMARS), permita contra-atacar e recapturar territórios perdidos do leste e do sul.

O Ministério da Defesa da Rússia disse hoje (22) que suas forças destruíram quatro sistemas HIMARS entre 5 e 20 de julho. A Reuters não pôde verificar a afirmação.

A Ucrânia acusou os russos de intensificar ataques com mísseis e foguetes contra cidades nas últimas semanas, em uma tentativa deliberada de aterrorizar sua população.

Cidades e vilas foram devastadas pelo bombardeio russo durante o conflito, com algumas longe das linhas de frente atingidas por mísseis. Moscou nega ter disparado deliberadamente contra civis e diz que todos os seus alvos são militares.

No entanto, há uma grande chance de armamento russo de longo alcance perder seus alvos pretendidos e causar baixas civis porque Moscou está usando cada vez mais sistemas de defesa aérea de longo alcance para compensar a falta de mísseis de ataque ao solo, de acordo com a inteligência militar britânica.

Esses sistemas de defesa aérea, com ogivas menores para derrubar aeronaves e mísseis, provavelmente não serão capazes de penetrar em estruturas militares endurecidas no solo e suas tripulações terão pouco treinamento para tais missões, disse o Ministério da Defesa do Reino Unido nesta sexta-feira (22).

A Rússia diz que está realizando uma “operação militar especial” para desmilitarizar seu vizinho e livrá-lo de nacionalistas perigosos.

Kiev e o Ocidente dizem que a Rússia está montando uma campanha imperialista para reconquistar um vizinho pró-ocidente que se libertou do domínio de Moscou quando a União Soviética entrou em colapso em 1991.

O maior conflito na Europa desde a Segunda Guerra Mundial matou mais de 5 mil pessoas, expulsou mais de 6 milhões da Ucrânia e deixou 8 milhões de deslocados internos, segundo as Nações Unidas.

(Com Reuters)

Compartilhe em suas redes!

WhatsApp
Facebook
Twitter
LinkedIn
PUBLICIDADE

Related Posts

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE