Venda de apartamentos de luxo em São Paulo bate recorde em 2021

Venda de apartamentos de luxo em São Paulo bate recorde em 2021


Quem tem dinheiro para gastar pode se dar ao luxo da escolha: pelo menos 200 metros quadrados de área, pé direito alto, acabamento acústico, um banheiro em cada quarto e, no mínimo, quatro vagas de garagem.

A lista de exigências, que é longa e não para por aí, reflete o perfil do segmento da construção civil que mais cresce em São Paulo: os edifícios residenciais para os (muito) endinheirados.

Em um momento em que a economia entrou em recessão técnica – com a queda de 0,1% no Produto Interno Bruto (PIB) no terceiro trimestre – e no qual o brasileiro médio sofre com a queda na renda e a inflação, as construtoras correm para oferecer aos “super-ricos”, que parecem alheios à derrocada econômica do país, experiências que não deixam a desejar aos mais sofisticados hotéis e clubes de campo.

Uma pesquisa da Brain, consultoria especializada no mercado imobiliário, revela que os lançamentos do segmento de luxo e superluxo em São Paulo, de janeiro a setembro de 2021, somaram 4.217 unidades – um aumento de 129% em relação a igual período do ano passado e o dobro da expansão da construção como um todo.

Hoje, a fatia desses lançamentos na cidade é de 8,5%, ante 5,8% do ano passado. É uma participação historicamente alta: o recorde anterior, de 7,8%, havia sido registrado em 2019.

O valor geral de vendas desses imóveis de luxo atingiu R$ 9,4 bilhões até setembro, quase dobrando o valor do mesmo período do ano passado. Em reais, a participação da altíssima renda chegou a 37,5% no acumulado de 2021 – outra marca histórica.

Mas, afinal, o que diferencia o “luxo” do “superluxo”? O setor trabalha com faixas de preço, explica Fabio Araujo, sócio da consultoria Brain. Os imóveis residenciais de luxo para o mercado de São Paulo são aqueles negociados acima de R$ 1 milhão; já os de superluxo, acima de R$ 2 milhões.

A estimativa, de acordo com o executivo, é de que os prédios de luxo sejam acessíveis para cerca de 5% da população brasileira, ao passo que os de alto luxo são restritos ao topo da pirâmide – um sonho atingível apenas pelo 1% mais rico.

No entanto, os apartamentos mais disputados entre os milionários paulistanos custam, em média, R$ 5,1 milhões, ou R$ 21,7 mil por metro quadrado, aponta a Brain. O tamanho médio desses imóveis supera os 200 m². Nos apartamentos mais caros da cidade, porém, o metro quadrado chega a valer R$ 63 mil.

O forte crescimento desse filão do mercado, especialmente dos de luxo, segundo Araújo, deve-se a uma equação formada pelo efeito da pandemia, que fez famílias buscarem imóveis maiores. Além disso, em 2020 a taxa de juros bateu na mínima histórica, fazendo as famílias mais abastadas repensarem seus investimentos, o que levou muita gente a comprar um imóvel novo.

Com a alta dos juros, porém, a festa pode estar no fim. “Na conta desse público, ao contrário do que ocorre na classe média, em que os juros afetam a decisão de financiamento, o que muda para eles é se vale a pena fazer outro tipo de investimento”, diz o especialista.

Na capital, 13 edifícios cobram mais de R$ 60 mil pelo metro quadrado

Com valores finais que superam R$ 15 milhões, a capital paulista tem hoje 13 empreendimentos que cobram mais de R$ 60 mil pelo metro quadrado de um apartamento. Essas unidades estão concentradas em bairros nobres como Jardins, Vila Nova Conceição e Moema, segundo a consultoria Brain.

As empresas veem esses empreendimentos como “objetos do desejo”. “Esse cliente é viajado, frequenta ótimos hotéis e espera uma sensação e experiência em tudo o que consome”, diz o diretor de incorporação e negócios da Cyrela (CYRE3), Piero Sevilla.

Em um dos empreendimentos da marca, em Moema, a assinatura será do Yoo Studio, escritório de design europeu, fundado por Philippe Starck e John Hitchcox. “Isso tem dado muito certo. Começamos em 2013 com prédios assinados. E a resposta tem sido muito boa.”

Sevilla, da Cyrela, diz que esse cliente também busca flexibilidade: hoje, a construtora já oferece dez modelos de plantas para uma mesma unidade, todas desenhadas pelo arquiteto responsável pelo empreendimento.

A Gafisa (GFSA3), que tomou a decisão estratégica de se voltar ao setor do altíssimo padrão, também seguiu o caminho de lançar o “cobranded”. O primeiro foi no bairro dos Jardins, com a grife italiana Tonino Lamborghini. “É uma marca que traz muito design e life style. Há um valor associado”, afirma o presidente da Gafisa, Guilherme Benevides.

Mas foi no Rio de Janeiro que a companhia bateu um marco no setor, ao cobrar R$ 100 mil o metro quadrado em um apartamento no Leblon – ou quase R$ 30 milhões.

Diretor executivo de incorporação da Even (EVEN3), companhia voltada ao alto padrão, Marcelo Dzik diz que hoje o alto padrão pede plantas mais abertas, áreas mais arejadas e com luz natural em abundância. Fora isso estão sempre presentes nos projetos arquitetos e decoradores renomados.

O presidente da construtora Setin, Antonio Setin, aponta também o fator localização. Com terrenos em regiões mais nobres cada vez mais escassos, os custos de incorporação vêm subindo. Setin vê ainda uma novo perfil de compradores a ser cobiçado: “Vemos alguns jovens ficando ricos cada vez mais cedo, muito fruto da área de tecnologia e fintechs.”

Compartilhe em suas redes!

WhatsApp
Facebook
Twitter
LinkedIn
PUBLICIDADE

Matérias Relacionadas

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

Receba o TradeNews no seu e-mail

Are you sure want to unlock this post?
Unlock left : 0
Are you sure want to cancel subscription?