Wells Fargo tem lucro pressionado por empréstimos imobiliários; Citigroup surpreende com negócio de corretagem

Wells Fargo tem lucro pressionado por empréstimos imobiliários; Citigroup surpreende com negócio de corretagem

A temporada de balanços dos bancos nos Estados Unidos entrou em seu segundo dia. Depois dos números mais fracos que o esperado de JP Morgan e Morgan Stanley, divulgados ontem (14), os resultados desta sexta-feira vieram mistos. Enquanto o Wells Fargo decepcionou, com um lucro que caiu quase pela metade, o Citigroup superou expectativas de receita e de lucro – ainda que também tenha lucrado menos do que no ano passado.

Às 10h52 (horário de Brasília), as ações de ambos os bancos subiam em Nova York: Wells Fargo tinha valorização de 3,75% e Citigroup subia 5,1%.

Assim como o JP Morgan, o Wells Fargo, considerado o quarto maior credor dos EUA, teve seu resultado prejudicado por um aumento nas provisões para empréstimos inadimplentes, para US$ 580 milhões. Por outro lado, os empréstimos para habitação do banco sentiram o impacto da alta de juros e caíram 53%. Os executivos do banco afirmam que pretendem reduzir o negócio de hipotecas.

Para completar, o banco informou que seus investimentos, incluindo private equityventure capital tiveram perdas de US$ 615 milhões no período.

Na linha final do balanço, o Wells Fargo apresentou lucro de US$ 3,1 bilhões, o equivalente a US$ 0,74 por ação (a FactSet projetava lucro por ação de US$ 0,80). Foi uma queda de 48,3% na comparação com o mesmo período do ano passado. À época, o Wells Fargo apresentou lucro de US$ 6 bilhões.  A receita total do banco no segundo trimestre foi de US$ 17,03 bilhões, ante US$ 20,3 bilhões registrados um ano antes.

O Citigroup também apresentou uma queda de lucro no segundo trimestre, que somou US$ 4,5 bilhões no período (27% menos que um ano antes). O aumento de reservas para potenciais perdas com empréstimos também impactaram o balanço, assim como um redução no volume de transações do negócio de banco de investimento. Porém, o resultado, de lucro de US$ 2,19 por ação, veio acima do esperado e o mercado reagiu bem à divulgação.

No segundo trimestre, o Citi adicionou US$ 375 milhões às provisões para perdas com créditos duvidosos, com crescente temores de recessão econômica nos EUA. Essa preocupação ganhou força recentemente, com o início do ciclo de aperto monetário no país pelo Federal Reserve. O movimento teve impacto direto também no negócio de banco de investimentos, cujas receitas reduziram em 46% para US$ 805 milhões. Reflexo da falta de ofertas de ações e dívidas, assim como de fusões e aquisições.

Já os resultados com corretagem do banco apresentaram um crescimento de 25% na receita, para US$ 5,3 bilhões. A volatilidade no preço de ativos como títulos de renda fixa, commodities e câmbio impulsionaram o segmento. Com o aumento da inflação, tensões geopolíticas e o medo de uma alta de juros nos Estados Unidos, os clientes do banco precisaram rebalancear suas carteiras.

 

(InfoMoney, com Reuters)

Compartilhe em suas redes!

WhatsApp
Facebook
Twitter
LinkedIn
PUBLICIDADE

Related Posts

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE