Ibovespa fecha em queda, pressionado por cautela internacional

blur-g8d6c6cc58_1920

O Ibovespa fechou em queda nesta terça-feira (27), novamente pressionado pela aversão ao risco presente nos mercados globais. Apesar do IPCA-15 de setembro ter indicado uma deflação de 0,37%, acima da esperada por analistas, o clima negativo predominou, assim como nos principais índices acionários de Nova York.

Além disso, para Raone Costa, economista-chefe da Alphatree Capital, o número foi possibilitado por um fator muito temporário, as reduções tributárias, e por isso deve ser utilizado com cuidado para análises de curto prazo.

O dólar fechou em leve queda, após duas sessões de forte avanço. Ainda assim, incertezas tanto em relação ao cenário externo quanto ao doméstico, às vésperas do primeiro turno das eleições, especialistas apontam que não há espaço para grandes recuos. A moeda americana deve seguir se fortalecendo, em meio à manutenção da postura hawkish do Fed nos Estados Unidos.

📊 Ibovespa 108.376,35 pontos (-0,68%)
💰 Volume R$ 31,1 bilhões
💵 Dólar R$ 5,3756 (-0,09%)

Nos destaques positivos, a maior alta de hoje foi a Gerdau (GGBR4), com 2,59%, impulsionada pelo aumento das vendas de novas moradias nos Estados Unidos, onde a companhia possui forte participação. Além disso, o minério de ferro avançou 1,13% na bolsa chinesa de Dalian, dando força às ações da companhia e da Gerdau Metalúrgica (GOAU4), que avançou 1,09%.

A Suzano (SUZB3) também figurou entre os maiores avanços de hoje, com 2,05%. O Itaú BBA reiterou a recomendação outperform para o papel, com preço-alvo de R$ 63,00, afirmando que o atual preço oferece um bom ponto de entrada.

Apesar dos avanços de Petrobras ON (PETR3) e PN (PETR4), de 0,70% e 0,71%, respectivamente, o restante das petroleiras não foi capaz de acompanhar o movimento positivo, mesmo com a alta do petróleo no mercado internacional. A PetroRio (PRIO3) caiu 0,29%, enquanto a 3R Petroleum (RRRP3) e a PetroReconcavo (RECV3) recuaram 0,11% e 1,86%, respectivamente.

Do lado, a Fleury (FLRY3) recuou 1,73% na sessão, após a Hermes Pardini (PARD3) estabelecer o prazo de 30 de setembro para reconsiderar ou ratificar a operação de combinação de negócios com a companhia, aprovada em agosto. Ontem, a Fleury também anunciou a compra de 100% das unidades da Retina Clinic, localizada em São Paulo.

As varejistas também tiveram desempenho negativo, pressionadas pelas altas da confiança do consumidor e das vendas de imóveis nos Estados Unidos, que indicam uma economia ainda aquecida e podem proporcionar mais altas de juros no país. Americanas (AMER3), Natura (NTCO3) e Via (VIIA3) recuaram, respectivamente, 3,43%, 2,26% e 4,05%, enquanto a Alpargatas (ALPA4) foi a segunda maior queda do dia, com 4,84%.

⬆️ Maiores Altas do Ibovespa

🟢 GGBR4 +2,59%
🟢 BPAC11 +2,18%
🟢 SUZB3 +2,05%

⬇️ Maiores Baixas do Ibovespa

🔴 POSI3 -4,82%
🔴 ALPA4 -4,84%
🔴 SMTO3 -4,48%

(Com Agência Estado e BDM Online)

Compartilhe em suas redes!

WhatsApp
Facebook
LinkedIn
PUBLICIDADE

Matérias Relacionadas

PUBLICIDADE

Assine o TradeNews Express!

PUBLICIDADE

A Newsletter mais completa do mercado está de cara nova!

Preencha o formulário e cadastre-se para receber todos os dias.

Saiba os meses que as empresas devem pagar proventos em 2024 e monte sua carteira vencedora

Are you sure want to unlock this post?
Unlock left : 0
Are you sure want to cancel subscription?