“Quem brinca com fogo, morre por ele”, alerta Xi Jinping em ligação com Biden

Fonte: Reuters

O líder chinês Xi Jinping alertou contra brincar com fogo sobre Taiwan em uma ligação com o presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, na última quinta-feira (28), destacando as preocupações de Pequim sobre uma possível visita da presidente da Câmara dos Estados Unidos, Nancy Pelosi, à ilha reivindicada pelos chineses.

“Quem brinca com fogo, morre por ele”, disse o Ministério das Relações Exteriores da China a Biden em sua quinta ligação como líderes. “Espera-se que os EUA tenham uma visão clara sobre isso”.

Xi disse que Washington deve respeitar o “princípio de uma só China” e enfatizou que o país se opõe firmemente à independência de Taiwan e à interferência externa.

Biden disse a Xi que a política dos EUA para Taiwan não mudou, e que Washington se opõe fortemente aos esforços unilaterais para mudar o status quo ou minar a paz e a estabilidade no Estreito de Taiwan, de acordo com a Casa Branca.

Após a ligação, Taiwan agradeceu a Biden por seu apoio e disse que continuaria a aprofundar sua parceria de segurança com os Estados Unidos, disse o Ministério das Relações Exteriores em comunicado hoje.

A Casa Branca afirmou que a ligação há muito programada faz parte dos esforços administrativos do governo para aprofundar as linhas de comunicação com a China e “gerenciar nossas diferenças com responsabilidade”.

Tem sido particularmente estressante diminuir a temperatura em Taiwan.

Uma visita do presidente da Câmara seria uma demonstração dramática, embora não sem precedentes, do apoio dos EUA à ilha, e alguns analistas temem que tal medida em um momento de fortes laços dos EUA com Pequim possa desencadear uma grande crise e até confrontos não intencionais.

Scott Kennedy, analista da China no centro de estudos estratégicos e internacionais de Washington, disse que os contatos em nível de liderança são essenciais para evitar isso.

“Esperamos que eles tenham feito o suficiente para evitar uma colisão no curto prazo, mas está claro que é preciso haver uma comunicação muito mais frequente e profunda”, disse ele.

Um alto funcionário dos EUA disse que Biden e Xi discutiram a possibilidade de realizar uma primeira reunião cara a cara como líderes e instruíram suas equipes a investigar isso.

Cadeia de suprimentos e segurança globais

Biden enfatizou a importância de manter linhas de comunicação em Taiwan e os dois também discutiram áreas onde havia potencial para expandir a cooperação, incluindo mudanças climáticas, segurança sanitária e combate a narcóticos, disse o funcionário.

Embora tenha focado em questões relacionadas à Taiwan, Xi também enfatizou que as duas maiores economias do mundo precisam manter a comunicação sobre políticas macroeconômicas, cadeias de suprimentos e segurança alimentar e energética globais, de acordo com a leitura da China.

O presidente americano também enfatizou a importância da coordenação macroeconômica.

Pequim emitiu alertas crescentes sobre os efeitos caso Nancy Pelosi – uma democrata como Biden – visite Taiwan. Xi prometeu colocar Taiwan sob o controle de chinês, pela força, se necessário.

A China deu poucos indícios sobre reações específicas que pode ter caso a viagem aconteça, o que Pelosi ainda não confirmou.

A autoridade dos EUA contou aos repórteres que Xi usou linguagem semelhante sobre Taiwan antes e disse que os dois lados reconheceram visões diferentes que existem há 40 anos. “A conversa entre os dois sobre Taiwan foi direta e honesta”, disse a autoridade, recusando-se a oferecer detalhes mais específicos sobre a mensagem de Biden a Xi.

A ligação durou mais de duas horas. Autoridades dos EUA disseram que teria uma agenda ampla, incluindo a invasão da Ucrânia pela Rússia, que a China ainda não condenou.

Washington segue a “política de uma só China” que reconhece Pequim, não Taipé, diplomaticamente. Mas é obrigado pela lei dos EUA a fornecer à democraticamente governada Taiwan os meios para se defender, e a pressão aumentou no Congresso por um apoio mais explícito.

Alguns analistas acreditam que Xi tem interesse em evitar a escalada enquanto busca um terceiro mandato sem precedentes neste ano. Outros dizem que a questão de Taiwan pode servir para Xi como uma distração doméstica da desaceleração da economia chinesa.

Questionado sobre a ligação, o escritório de representação de Taiwan em Washington disse à Reuters que estava grato a Biden “por enfatizar a importância de nosso interesse compartilhado pela paz e estabilidade no Estreito de Taiwan”.

CHINA MUDA O TOM DA ECONOMIA

Tanto Washington quanto Pequim têm enfrentado dificuldades econômicas. A economia de US$ 18 trilhões da China foi prejudicada por seus rígidos regulamentos anti-Covid e lockdowns urbanos completos, enquanto os Estados Unidos estão lutando contra a inflação crescente em meio a preocupações de uma recessão.

A mídia estatal chinesa disse ontem que o país se esforçará para alcançar os melhores resultados econômicos possíveis este ano, abandonando os comunicados anteriores de que se esforçará para atingir sua meta de crescimento para 2022 – que ocorreu após uma reunião do alto escalão do Partido Comunista presidida por Xi.

“As tentativas de dissociar ou cortar as cadeias de suprimentos desafiando os padrões subjacentes não ajudariam a impulsionar a economia dos EUA. Elas apenas tornariam a economia mundial mais vulnerável”, disse Xi, referindo-se aos esforços americanos para acabar com a dependência da China para bens estratégicos.

O governo vem debatendo se deve suspender algumas tarifas sobre produtos chineses como forma de aliviar a inflação crescente, mas o presidente não discutiu possíveis medidas com Xi, disse o alto funcionário dos EUA.

Quando Biden falou pela última vez com Xi em março, ele alertou sobre “consequências” se Pequim desse apoio material à invasão russa da Ucrânia, e Washington acredita que essa linha vermelha não foi ultrapassada desde então.

No entanto, Taiwan reclamou de manobras militares chinesas intensificadas e, pouco antes da ligação de ontem, os militares de Taiwan disseram que dispararam sinalizadores para alertar um drone que possivelmente estava sondando as defesas de uma ilha estrategicamente localizada e fortemente fortificada perto da costa chinesa.

A última vez que um presidente da Câmara dos EUA visitou Taiwan foi em 1997. Como um ramo de governo em igualdade de condições, o executivo dos EUA tem pouco controle sobre as viagens do Congresso.

A China se tornou muito mais poderosa militar e economicamente desde então, e a Casa Branca diz que o governo entrou em contato com o gabinete de Pelosi para garantir que ela tenha “todo o contexto” de que precisa para tomar decisões sobre sua viagem.

Compartilhe em suas redes!

WhatsApp
Facebook
Twitter
LinkedIn
PUBLICIDADE

Related Posts

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE